Você sabia que as crianças influenciam 80% das decisões de compras de uma família? Os dados são do instituto InterScience. Com os pequenos cada vez mais expostos à TV e à internet – e, como consequência, à publicidade – é necessário, para o bem de todos, trazer o tema do consumismo para dentro de casa desde cedo, despertando neles a consciência para uma vida financeiramente mais equilibrada e saudável.

Mas o que fazer quando a época do ano favorece o desejo pelas compras? No Brasil, o Dia das Crianças costuma ser sinônimo de mais passeios, muitas compras e grandes presentes, mas às vezes os desejos dos baixinhos passam dos limites e do orçamento familiar. E é justamente nessa hora que a educação financeira direcionada ao público infantil se mostra mais necessária. Confira algumas dicas de como abordar o assunto com as crianças!

  1. Conversem sobre educação financeira em família

O primeiro passo é trazer a educação financeira para a rotina da família como um todo. Isso pode ser feito de diferentes formas, desde a adoção da tradicional “mesada”, que ensina a criança a gerenciar seu próprio dinheiro, por exemplo, até mesmo com a ajuda de jogos e aplicativos.

  1. Estabeleça limites para compras e outros desejos

Estabelecer limites também é parte importante da educação financeira infantil – afinal, isso ajuda a evitar hábitos de consumo prejudiciais no futuro.

Explique que, muitas vezes, o que se vê na TV ou na internet não corresponde à realidade, dê noção de desperdício e de valor de dinheiro, mostrando, por meio de comparações, o que representa determinada quantia e quantas outras coisas poderiam ser adquiridas no lugar daquele brinquedo caro. Além disso, é importante fazê-los entender que nem sempre é possível ter o que se quer.

 

  1. Seja um exemplo para as crianças

A família também precisa ser um exemplo para as crianças – afinal, elas também replicam seus comportamentos. Por isso, procure consumir de forma consciente e manter suas finanças organizadas.  As crianças aprendem muito pelo exemplo.

  1. Sugira atividades fora da rotina

Outra maneira mais lúdica de tratar do tema em casa é mostrar que é possível se divertir sem consumir em excesso. Sempre que possível, proponha atividades lúdicas, que fujam da rotina dos shoppings e parques de diversão – passeios ao ar livre, programas culturais e esportes são bons exemplos. Além de serem passeios baratos, este tipo de programação também ajuda a cultivar o relacionamento com a criança, evitando que os bens materiais sejam vistos como uma forma de compensação.

 

Não poder atender às vontades dos filhos parte o coração dos pais, sobretudo quando há a possibilidade de atender a esses caprichos. Mas às vezes é preciso deixar essa emoção de lado e entender que os limites financeiros, assim como o “obrigado” e o “por favor”, também fazem parte de uma boa educação. São as lições de agora que farão com que as crianças cresçam com boas noções de economia, fundamentais para uma vida adulta responsável. Então, mesmo que você tenha que enfrentar algumas carinhas feias agora, aguente firme – esses futuros adultos ainda vão ser gratos por esses ensinamentos.