Please select from the menu above

  • ABERTURA DE CAPITAL

    Processo de democratização do Capital Social de uma empresa, cujas ações pertencem a um determinado número de acionistas. Considera-se de capital aberto a companhia que tem os valores mobiliários de sua emissão admitidos à negociação em bolsa ou no mercado de balcão.

  • ABONO ANUAL

    13ª (décima terceira) parcela anual do benefício pago em forma de renda mensal a assistido do Plano de Benefícios.

  • ABRAPP – Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar

    Fundada em 03 de março de 1978, com o objetivo de funcionar como interlocutora e de defender os interesses de seus associados junto ao poder público e a instituições privadas, a entidade congrega atualmente 280 fundos de pensão do País. Outra característica da entidade é a produção constante de estudos e informes, além do suporte técnico regularmente prestado às instituições associadas.

  • AÇÃO

    Título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima. São títulos nominativos negociáveis que representam, para quem as possui, uma fração do capital social de uma empresa – sociedade anônima da qual é acionista, participando assim, dos seus resultados.

  • AÇÃO CHEIA

    Ação cujos direitos (dividendos, bonificação, e subscrição) ainda não foram exercidos.

  • AÇÃO COM VALOR NOMINAL

    Ação que tem um valor impresso, estabelecido pelo estatuto da companhia que a emitiu.

  • AÇÃO LISTADA EM BOLSA

    Ação negociada no pregão de uma bolsa de valores.

  • AÇÃO OBJETO

    Valor mobiliário a que se refere uma opção.

  • AÇÃO SEM VALOR NOMINAL

    Ação para a qual não se convenciona valor de emissão, prevalecendo o preço de mercado por ocasião do lançamento.

  • AÇÃO-FILHOTE

    Designa as ações concedidas na forma de bonificação.

  • ACCOUNTABILITY

    Termo em inglês que significa capacidade de prestar contas, e que no mercado financeiro representa a legitimidade e confiança que uma instituição financeira goza junto ao público ou aos seus acionistas.

  • ACIDENTE PESSOAL

    É o evento súbito e involuntário exclusivamente provocado por acidente, exclusivo e diretamente externo, súbito, involuntário e violento, causador de lesão física que, por si só, e independente de toda e qualquer outra causa, tenha como consequência direta a morte, ou invalidez total ou parcial ou torne necessário tratamento médico.

  • ACIONISTA

    Aquele que possui ações de uma Sociedade Anônima.

  • ACIONISTA MAJORITÁRIO

    Aquele que detém uma quantidade tal de ações com direito a voto que lhe permite manter o controle acionário de uma empresa.

  • ACIONISTA MINORITÁRIO

    Aquele que é detentor de uma quantidade não expressiva (em termos de controle acionário) de ações com direito a voto.

  • AÇÕES DE PRIMEIRA LINHA

    São ações de maior liquidez e de grande procura no mercado de ações por parte dos investidores, e são, em geral, de empresas de grande porte, tradicionais e com excelente reputação. No mercado utiliza-se o termo em inglês Blue Chips para designar tais ações.

  • AÇÕES DE SEGUNDA LINHA

    São ações com liquidez menor que as de primeira linha, de empresas de boa qualidade e em geral de grande e médio porte. No mercado utiliza-se o termo em inglês Small Caps para designar tais ações.

  • AÇÕES DE TERCEIRA LINHA

    São ações com pouca liquidez, em geral de companhias de médio e pequeno porte, porém, não necessariamente, de menor qualidade.

  • AÇÕES EM TESOURARIA

    Ações que a própria empresa emissora mantém em caixa.

  • AÇÕES ESCRITURAIS

    São aquelas que não são representadas por cautelas ou certificados, funcionando como uma conta corrente, na qual os valores são lançados a débito ou a crédito dos acionistas, não havendo movimentação física dos documentos.

  • AÇÕES ORDINÁRIAS

    São aquelas que proporcionam uma participação nos resultados da empresa e que conferem aos acionistas o direito de voto nas assembléias da companhia, outorgando o direito de participar da eleição da diretoria (conselho) da empresa que o emitiu.

  • AÇÕES PREFERENCIAIS

    São aquelas que garantem ao acionista, no caso de dissolução da sociedade, a prioridade no recebimento dos dividendos. Essas ações não proporcionam ao acionista o direito de voto nas Assembléias.

  • ACORDO DE RECOMPRA

    Acordo através do qual o emissor de um título se compromete a recomprá-lo, por um preço estabelecido no ato da venda, antes da data de vencimento do título. Nas operações de venda de títulos públicos de curto prazo em geral o governo opta por esse tipo de acordo, garantindo a recompra dos papéis a um preço mais elevado que o de emissão.

  • ACRÉSCIMO DO PASSIVO ATUARIAL

    É o valor do acréscimo do Passivo Atuarial Projetado verificado em função de alterações no plano de benefícios.

  • ACUMULAÇÃO DE AÇÕES

    Fase do mercado de ações caracterizada pela compra maciça das ações de determinada empresa por parte de alguns poucos investidores. Estes, depois de dominarem o mercado, põem à venda as referidas ações junto ao conjunto de investidores, fixando preços mais elevados e com isso auferindo grandes lucros.

  • AD VALOREM

    Expressão em latim que significa “segundo o valor” ou “conforme o valor”. Na cobrança ou no cálculo de um tributo, é aquele estimado como uma percentagem do valor de uma mercadoria.

  • ADESÃO

    No caso de empresa ou associação de classe, é o momento em que esta assina o Convênio de Adesão e passa a ser patrocinador ou instituidor de um plano de benefícios.

  • ADESÃO DE PARTICIPANTE

    Ato pelo qual o empregado de um patrocinador ou o associado de um instituidor inscreve-se no Plano de Benefícios administrado por uma EFPC.

  • ADMINISTRAÇÃO DE RISCOS

    Envolve a identificação de eventos que podem gerar consequências financeiras adversas e requer a tomada de atitudes para prevenir, mitigar ou minimizar o dano causado por tais eventos.

  • ADMINISTRAÇÃO PASSIVA

    Tipo de estratégia para se administrar um fundo de investimento, na qual o administrador do fundo investe em ações buscando replicar a carteira de um índice previamente definido. Desta maneira, o retorno do fundo corresponderá aproximadamente ao retorno do índice escolhido.

  • ADMINISTRADOR ESPECIAL

    Pessoa nomeada pelo órgão regulador e fiscalizador das EFPCs, nos termos do art. 42, caput da Lei 109, de 29 de Maio de 2001, com poderes próprios de intervenção e de liquidação extrajudicial, objetivando o saneamento de Plano de Benefícios administrado pela Entidade.

  • ADMINISTRADOR RESPONSÁVEL

    A entidade fechada de previdência complementar deve designar administrador estatutário tecnicamente qualificado, responsável civil, criminal e administrativamente pela gestão, alocação, supervisão, controle de risco e acompanhamento dos recursos garantidores de seus planos de benefícios, bem como pela prestação de informações relativas à aplicação dos mesmos, sem prejuízo da responsabilidade solidária dos demais administradores.

  • AGE – Assembléia Geral Extraordinária

    Reunião dos acionistas, convocada e instalada na forma da lei e dos estatutos, a fim de deliberar sobre qualquer matéria. Sua convocação não é obrigatória, depende das necessidades da empresa. Os estatutos da companhia definem quem pode convocá-la.

  • AGIO

    Diferença a mais, entre o valor escritural e o valor nominal de ativos.

  • AGO – Assembléia Geral Ordinária

    Reunião obrigatória dos acionistas, convocada periodicamente pela diretoria de uma sociedade anônima para a verificação dos resultados, leitura, discussão e votação dos relatórios de diretoria e eleição do conselho fiscal e da diretoria. Deve ser realizada até 4 meses após o encerramento do exercício social.

  • AGRUPAMENTO

    Expressão que define a ação de uma empresa que reduz a quantidade de ações em circulação a fim de elevar sua cotação e reduzir sua volatilidade. Também conhecido, em inglês, por Inplit.

  • ALAVANCAGEM

    Nível de utilização de recursos de terceiros para aumentar as possibilidades de lucro de uma empresa, aumentando, consequentemente, o grau de risco da operação.

  • ALÍQUOTA PROGRESSIVA

    Ver Tributação dos Planos de Benefícios

  • ALM – ASSET/LIABILITY MANAGEMENT

    Em português significa Gestão Ativo/Passivo. Representa os modelos que buscam otimizar a aplicação de recursos de uma entidade, dadas as características de seus passivos. É uma ferramenta eficaz no processo de gerenciamento de uma instituição que administra recursos de médio e longo prazo.

  • ALOCAÇÃO DE RECURSOS

    Expressão utilizada pelos profissionais do mercado financeiro para fazer referência quanto à escolha dos ativos que comporão as carteiras. Trata-se da seleção dos ativos que serão parte integrante de uma carteira de investimentos e em que quantidade.

  • ALOCAÇÃO EFICIENTE

    Termo usado na administração de investimentos através do qual o profissional responsável pela gestão dos recursos consegue aplicá-los em várias classes de ativos de forma a obter o maior ganho possível, ao mesmo tempo em que minimiza o risco a que está exposto.

  • AMBITO DE COBERTURA

    Abrangência da cobertura em determinado tipo de seguro; delimita os riscos cobertos e os não cobertos por uma apólice de seguro.

  • AMORTIZAÇÃO

    Redução gradual do valor nominal da dívida, sem contar os juros, por meio de pagamentos periódicos combinados entre o credor e o devedor.

  • ANÁLISE DE CRÉDITO

    Procedimento por meio do qual a empresa (ou instituição) que irá conceder o crédito determina se a empresa (ou instituição) que pretende levantar esse crédito atende às exigências necessárias para a liberação desses recursos. Esse tipo de análise também pode ser usado para determinar o volume máximo de recursos que o tomador pode levantar com base nas suas características.

  • ANÁLISE FUNDAMENTALISTA

    Projeção do comportamento de preços de ações a partir do estudo de características particulares de cada empresa. Utiliza-se das demonstrações financeiras divulgadas pela empresa assim como de informações setoriais e macro econômicas para fundamentar recomendações sobre quais papéis devem ser comprados ou vendidos.

  • ANÁLISE GRÁFICA

    É a projeção do comportamento futuro de preços de ativos a partir de cotações passadas, para se chegar a recomendações de compra e venda desses títulos. A análise é baseada em gráficos construídos a partir das séries históricas de cotações, procurando identificar padrões gráficos que sinalizem o comportamento futuro do papel.

  • ANAPAR

    Associação Nacional dos Participantes de Fundos de Pensão.

  • ANCEP

    Associação Nacional dos Contabilistas das Entidades de Previdência.

  • ANCORA CAMBIAL

    Instrumento de política econômica utilizado para estabilizar o valor de uma moeda fixando-se seu valor na taxa cambial. A âncora cambial pode ser acompanhada por uma política de conversibilidade total ou parcial. A adoção desse mecanismo exige, no entanto, que o país disponha de reservas suficientes e de um balanço de pagamentos sob controle para evitar o jogo especulativo em torno de uma futura desvalorização do câmbio.

  • ANCORA MONETÁRIA

    Instrumento de política monetária utilizado para estabilizar o valor de uma moeda numa conjuntura de grande elevação de preços e que consiste fundamentalmente no compromisso (legal ou não) de que as autoridades monetárias não emitirão moeda para cobrir eventuais déficits governamentais. Novas emissões só teriam lugar se houvesse correspondente aumento das reservas internacionais.

  • ANS – Agência Nacional de Saúde Suplementar

    Criada pela Lei 9.961/2000, com a finalidade de defender o interesse público na assistência suplementar à saúde e regular as operadoras de planos de saúde. O órgão é vinculado ao Ministério da Saúde e sua diretoria é colegiada, composta por cinco diretores com mandatos não coincidentes. O setor de saúde suplementar reúne cerca de duas mil empresas operadoras de planos de saúde que atendem mais de 37 milhões de consumidores.

  • ANTI-SELEÇÃO DE RISCOS

    Garantia para cobertura de riscos com probabilidade de ocorrência acima da média, e cujos prêmios previstos são relativamente pequenos para o risco que está sendo coberto.

  • ANUIDADE

    Nome que se dá a uma série de pagamentos ou recebimentos sucessivos, de valor geralmente constante, efetuado no começo ou no fim de cada período, denominando-se cada caso, de renda antecipada e postecipada, respectivamente. Quando a série de pagamentos é anual denomina-se especificamente de anuidade.

  • APEP

    Associação dos Fundos de Pensão de Empresas Privadas.

  • APLICAÇÃO

    Emprego de recursos na aquisição de títulos, com o objetivo de auferir rendimentos.

  • APÓLICE

    É uma promessa de pagamento se cumpridas determinadas condições. Entre as principais apólices estão as apólices da dívida pública e as apólices de seguro. As primeiras referem-se a um empréstimo feito por seu possuidor ao governo. As apólices de seguro são documentos nos quais a empresa emitente se compromete a pagar a pessoas ou firmas (nomeadas no próprio documento) certa importância, no caso de ocorrerem certos fatos, tais como a morte do segurado ou a perda de determinado bem.

  • APORTE INICIAL

    É o valor de aporte a ser exigido do participante e/ou da patrocinadora, no momento de sua adesão, para cobertura dos encargos acumulados dos benefícios do plano para o qual o mesmo está aderindo, nos termos da nota técnica atuarial e do regulamento.

  • APOSENTADORIA

    Benefício concedido ao segurado por regime de previdência social e/ou pela previdência complementar, decorrente do cumprimento de condições regulamentares. Nos Fundos de Pensão, refere-se aos pagamentos mensais vitalícios, efetuados ao segurado por motivo de tempo acumulado de contribuição, idade avançada ou incapacidade para o trabalho. Suas modalidades e regras de elegibilidade devem estar previstas no regulamento dos planos de benefícios.

  • ARBITRAGEM

    Operação na qual um investidor aufere um lucro sem risco, realizando transações simultâneas em dois ou mais mercados.

  • ARRENDAMENTO

    Contrato em que se estabelece um valor pela cessão de ativos imobilizados (ativos permanentes) de uma parte para a outra durante um certo período mediante o pagamento de uma certa quantia.

  • ASSISTIDO

    Participante de Plano de Benefícios, ou seu beneficiário, em gozo de benefício de prestação continuada.

  • ATIVO

    Conjunto de bens e direitos que formam o patrimônio de qualquer sujeito econômico.

  • ATIVO CIRCULANTE

    Um dos componentes do balanço patrimonial. O ativo circulante reflete a soma de todos os ativos de uma empresa que podem, no curto prazo (até 365 dias), ser convertidos em liquidez, ou seja, vendidos de forma a aumentar o caixa da empresa. Em geral, o ativo circulante inclui contas como disponibilidades, créditos, estoques, etc.

  • ATIVO DA ENTIDADE

    Somatório de todos os bens e direitos acumulados pela EFPC, considerando todos os Planos de Benefícios que ela administra.

  • ATIVO DO PLANO

    Somatório de todos os bens e direitos do Plano de Benefícios.

  • ATIVO FINANCEIRO

    Todo e qualquer título representativo de parte patrimonial ou dívida.

  • ATIVO INTANGÍVEL

    Caso seja contabilizada uma Reserva Adicional, será consignado também nos demonstrativos da empresa um Ativo Intangível de mesmo valor de forma que este não seja superior à soma do Passivo Inicial não Amortizado com o Acréscimo do Passivo não Amortizado.

  • ATIVO JUSTO

    Valor pelo qual um ativo pode ser negociado ou um passivo liquidado entre as partes interessadas em condições ideais e com a ausência de fatores que pressionem para a liquidação da transação ou que caracterizem um transação.

  • ATIVO LÍQUIDO DOS PLANOS

    Diferença entre o ativo dos planos e o Exigível Operacional.

  • ATIVO PERMANENTE

    Parcela do Ativo da Entidade que representa os bens e direitos destinados à manutenção da EFPC.

  • ATIVOS MONETÁRIOS

    Apenas a parte monetária do ativo circulante.

  • ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA

    São ajustes contábeis e financeiros, feitos em certos valores de ativos, tendo por base o valor da inflação de um período, objetivando compensar a perda de valor da moeda.

  • ATUÁRIO

    Profissional técnico especializado, com formação acadêmica em ciências atuariais. As principais áreas de atuação são: planos privados de aposentadoria, onde é responsável pela definição de custo do plano e o fluxo de recursos necessários para o equilíbrio; seguros de qualquer espécie (vida em grupo, automóvel, incêndio, etc.), onde é responsável pela fixação do valor das indenizações e prêmios a serem pagos; planos de capitalização; planos de saúde, onde é responsável pelo cálculo do custo do plano e nível de cobertura aceitável; dentre outros.

  • AUDITORIA

    Mecanismo de avaliação independente da saúde financeira de uma empresa (ou instituição financeira), realizada por profissionais sem nenhum vínculo permanente com a empresa (ou instituição financeira). O objetivo desse procedimento é dar maior credibilidade às informações divulgadas, bem como maior segurança para os usuários destas informações. Exame analítico da escrituração contábil de uma empresa, ou fundo, realizada de forma independente por um auditor, sem nenhum vínculo permanente com a empresa. Quanto mais independente for o estudo, mais credibilidade ele terá no mercado.

  • AUDITORIA ATUARIAL

    Exame nos aspectos atuariais dos Planos de Benefícios das EFPCs, realizado por atuário ou empresa de consultoria atuarial registrados no IBA, com o objetivo de verificar e avaliar a coerência e a consistência do cadastro de participantes, das hipóteses biométricas, demográficas e financeiras, do regime de financiamento das reservas necessárias à cobertura dos benefícios e do perfil do financiamento do plano, com vistas à capitalização deste através de contribuições normais e extraordinárias, visando à preservação do nível de solvência do Plano de Benefícios.

  • AUDITORIA DE BENEFÍCIOS

    Auditoria externa do Plano de Benefícios, realizada por profissional ou por empresa qualificados, compreendendo a análise do cadastro dos participantes, o aporte de contribuições, a concessão e a manutenção de benefícios, em face do disposto na legislação aplicável, assim como nos respectivos Regulamento e Plano de Custeio.

  • AUMENTO DE CAPITAL

    Incorporação de reservas e/ou novos recursos ao capital da empresa. Realizado, em geral, mediante bonificação, elevação do valor nominal das ações e/ou direitos de subscrição pelos acionistas, ou também pela incorporação de outras empresas.

  • AUMENTO DE VALOR NOMINAL

    Termo que se refere à alteração do valor nominal da ação de uma empresa, que ocorre em decorrência da incorporação de reservas de capital da empresa sem que sejam emitidas novas ações.

  • AUTO DE INFRAÇÃO

    No âmbito da previdência complementar, é o documento destinado ao registro de ocorrência de infração, dá início aos processos administrativos para apurar responsabilidade por infração à legislação.

  • AUTOPATROCÍNIO

    Instituto que faculta, ao participante que sofrer perda parcial ou total de remuneração, a manutenção da sua contribuição anterior e a assunção da contribuição do patrocinador em relação à parcela reduzida, de modo a permitir a percepção futura de benefício nos níveis anteriormente praticados, observado o Regulamento do Plano de Benefícios.

  • AVALIAÇÃO ATUARIAL

    Estudo técnico baseado em levantamento de dados estatísticos, no qual o atuário procura mensurar os recursos necessários à garantia dos benefícios oferecidos pelo Fundo de Pensão, bem como analisar o histórico e a evolução da entidade como um todo, de forma a apresentar estratégias que permitam a sua adaptação aos novos cenários (estatísticas da população analisada, dos investimentos e da evolução dos benefícios pagos).

  • AVERBADORA

    Termo que é usado para denominar a pessoa jurídica (empresa) que contrata um plano de previdência privada que, no entanto, não participa do custeio do mesmo. Nos planos de previdência a empresa pode participar como patrocinadora, e efetuar contribuições ao plano dos seus funcionários, ou simplesmente como averbadora.

  • BACEN – Banco Central do Brasil

    Órgão federal que executa a política monetária do governo, administra as reservas internacionais do País e fiscaliza o Sistema Financeiro Nacional.

  • BALANCETE

    Balanço parcial da situação econômica e do estado patrimonial de uma empresa ou entidade, referente a um período de seu exercício social.

  • BALANÇO

    Demonstrativo contábil dos valores do ativo, do passivo e do patrimônio líquido de uma entidade jurídica, relativo a um exercício social completo.

  • BALANÇO PATRIMONIAL DA EFPC

    Demonstrativo que tem por finalidade apresentar a posição financeira e patrimonial da EFPC em determinada data.

  • BANDA CAMBIAL

    É a banda ou limite determinado pelo Governo para a flutuação do real frente ao dólar.

  • BASE MONETÁRIA

    Denominação dada ao conjunto de moeda em circulação no país mais os depósitos à vista junto às autoridades monetárias. Esta é uma definição restrita da oferta de dinheiro, que diz respeito apenas às formas mais líquidas. A partir dessa base monetária, o sistema bancário, através dos créditos concedidos, cria moeda escritural e portanto aumenta a oferta de moeda.

  • BASES TÉCNICAS

    Parâmetros biométricos, demográficos, econômicos e financeiros utilizados pelo atuário na elaboração da avaliação atuarial, adequados às características do conjunto de participantes e ao regulamento do plano de benefícios.

  • BDR

    Sigla de Brazilian Depositary Receipts, equivalente brasileiro aos ADRs (American Depositary Receipts). Documentos emitidos por bancos brasileiros, que representam ações de companhias estrangeiras negociadas no Brasil, inclusive nas bolsas de valores.

  • BENCH MARK

    Medida de referência relativa à rendibilidade e ao risco estabelecida como padrão de comparação para a análise do desempenho na gestão dos investimentos do fundo.

  • BENEFICIÁRIO

    Dependente do participante, ou pessoa por ele designada, inscrito no Plano de Benefícios nos termos do respectivo Regulamento, para fins de recebimento de benefícios por ele oferecidos.

  • BENEFICIÁRIO DESIGNADO

    Corresponde a qualquer pessoa física indicada pelo participante que não possua beneficiário, para, no caso do seu falecimento, receber benefício do plano.

  • BENEFÍCIO

    Toda e qualquer prestação assegurada pelo plano de benefícios aos seus participantes e respectivos beneficiários, na forma e condições estabelecidas no regulamento.

  • BENEFÍCIO ANTECIPADO

    Benefício programado de caráter previdenciário, pago ao participante que o requerer, antes de completar as carências e condições previstas no regulamento do plano de benefícios para o benefício pleno, podendo, inclusive, sofrer redução de valor.

  • BENEFÍCIO DE CARÁTER ASSISTENCIAL

    Benefício de assistência à saúde oferecido por EFPC.

  • BENEFÍCIO DE CARÁTER PREVIDENCIÁRIO

    Benefício pago ao participante ou a seus beneficiários, com fim de amparo por infortúnio cujo fator gerador decorre, em conjunto ou separadamente, de sobrevivência, invalidez, morte, reclusão e doença do participante.

  • BENEFÍCIO DE PAGAMENTO ÚNICO

    Benefício de caráter previdenciário cujo pagamento é efetuado em uma só prestação.

  • BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA

    Aqueles caracterizados por pagamentos mensais contínuos, até que alguma causa provoque sua cessação. Enquadram-se nessa categoria as aposentadorias, pensões, alguns tipos de auxílios, rendas mensais vitalícias, abonos de permanência em serviço e o salários-família e maternidade.

  • BENEFÍCIO DE RISCO

    Benefício de caráter previdenciário cuja concessão depende da ocorrência de eventos não previsíveis, como a morte, a invalidez, a doença ou a reclusão.

  • BENEFÍCIO DEFINIDO (BD)

    Modalidade de benefício cuja metodologia de cálculo é definida nos termos do Regulamento, sendo as contribuições determinadas atuarialmente de forma a garantir a sua concessão e manutenção nos níveis inicialmente contratados.

  • BENEFÍCIO DIFERIDO POR DESLIGAMENTO

    Ver. “Benefício Proporcional Diferido”.

  • BENEFÍCIO MÍNIMO

    Valor mínimo de benefício a ser concedido de acordo com as condições estabelecidas no respectivo Regulamento do Plano de Benefícios.

  • BENEFÍCIO PLENO

    Benefício de caráter previdenciário previsto no Regulamento do Plano de Benefícios, cujo cumprimento dos requisitos regulamentares para a sua percepção impede a opção do participante pelos institutos do Benefício Proporcional Diferido ou da Portabilidade.

  • BENEFÍCIO PROGRAMADO

    Benefício de caráter previdenciário em que a data de seu início é previsível, conforme as condições estabelecidas no regulamento.

  • BENEFÍCIO PROGRAMADO E CONTINUADO

    Benefício de caráter previdenciário cuja concessão decorre de eventos previsíveis, previamente planejados pelo participante, desde que estejam atendidos os requisitos previstos no Regulamento do Plano de Benefícios (condições de elegibilidade), e cujo pagamento é realizado de forma periódica.

  • BENEFÍCIO PROPORCIONAL DIFERIDO (BPD)

    Instituto que faculta ao participante, em razão da cessação do seu vínculo empregatício com o patrocinador, ou associativo com o instituidor, antes da aquisição do direito a benefício pleno programado, a interrupção de suas contribuições para o custeio de benefícios previdenciários, optar por receber, em tempo futuro, um benefício programado, quando do preenchimento dos requisitos regulamentares. Nessa hipótese o participante, classificado como remido, deixa de contribuir para o plano arcando exclusivamente com o pagamento do custeio administrativo até a data do recebimento do benefício

  • BENEFÍCIO SALDADO

    Benefício decorrente da descontinuidade do Plano de Benefícios, observadas as condições estabelecidas no Regulamento do Plano.

  • BENEFÍCIOS DO PLANO COM A GERAÇÃO ATUAL

    Conta contábil que registra, em uma determinada data, para os planos de contribuição definida, a totalidade dos saldos efetivamente acumulados nas contas previdenciárias de participantes que ainda não estejam em gozo de benefício. Para os planos de benefício definido, registra o valor atual dos benefícios a serem concedidos aos integrantes da geração atual que ainda não estejam em gozo de benefício, líquido do valor atual das contribuições futuras por eles devidas quando do recebimento do benefício, se houver previsão regulamentar para esta contribuição.

  • BENEFÍCIOS DO PLANO COM A GERAÇÃO FUTURA

    Conta contábil que registra, em uma determinada data, o valor atual dos benefícios a serem concedidos aos integrantes das gerações futuras, líquido do valor atual das contribuições futuras por eles devidas quando do recebimento do benefício, se houver previsão regulamentar para esta contribuição.

  • BENEFÍCIOS DOS PLANOS

    Todos os benefícios previdenciários assegurados pelo plano aos participantes e a seus beneficiários.

  • BENS INTANGÍVEIS

    Aqueles que não existem fisicamente, mas são indispensáveis aos objetivos da empresa.

  • BM&FBOVESPA

    Companhia de capital brasileiro formada, em 2008, a partir da integração das operações da Bolsa de Valores de São Paulo e da Bolsa de Mercadorias & Futuros. Principal instituição brasileira de intermediação para operações do mercado de capitais, com a negociação de ações, derivativos de ações, títulos de renda fixa, títulos públicos federais, derivativos financeiros, moedas à vista e commodities agropecuárias. Exerce o papel de fomentar o mercado de capitais brasileiro.

  • BOLSA DE VALORES

    Instituição em que se negociam títulos e ações. As Bolsas de Valores são importantes nas economias de mercado por permitirem a canalização rápida das poupanças para sua transformação em investimentos. Constituem, para os investidores, um meio prático de obter lucratividade com a compra e venda de títulos e ações, escolhendo os momentos adequados de baixa ou alta nas cotações.

  • BONIFICAÇÃO EM AÇÕES

    O mesmo que ações-filhotes. São as ações emitidas por uma empresa em decorrência de aumento de capital, realizado por incorporação de reservas e/ou de outros recursos, e distribuídas gratuitamente aos acionistas, na proporção da quantidade de ações que já possuem.

  • BONIFICAÇÃO EM DINHEIRO

    Excepcionalmente, além dos dividendos, uma empresa poderá conceder aos seus acionistas uma participação adicional nos lucros, por meio da bonificação em dinheiro.

  • BÔNUS

    Título emitido por uma sociedade anônima de capital aberto, dentro do limite do capital autorizado, que confere ao seu titular, nas condições constantes do certificado, direito de subscrever ações, que será exercício contra a apresentação do bônus à companhia e pagamento do preço de emissão.

  • BÔNUS DE SUBSCRIÇÃO

    Título negociável que dá direito à subscrição de novas ações, emitido por uma empresa, dentro do limite de aumento de capital autorizado em seu estatuto.

  • BRADIES

    Títulos que foram emitidos a partir de 1994 por países emergentes na renegociação de suas respectivas dívidas externas. São títulos da dívida externa brasileira lastreados em papéis do Tesouro dos Estados Unidos.

  • CADERNETA DE POUPANÇA

    Depósito de poupança, em dinheiro, que acumula juros e correção monetária, cujos recursos são destinados ao financiamento da construção e da compra de imóveis.

  • CÁLCULO ATUARIAL

    É o estudo técnico baseado em levantamentos de dados da população analisada, no qual o atuário busca mensurar os recursos necessários à garantia dos benefícios oferecidos pelo plano previdenciário.

  • CÂMBIO FIXO

    Um sistema de câmbio em que o Banco Central de um país estabelece um valor fixo para a paridade entre a moeda local e o dólar.

  • CÂMBIO FLUTUANTE

    É o sistema em que as operações de compra e venda de moedas funcionam sem controle sistemático do governo. Neste caso, o valor das moedas estrangeiras flutua de acordo com o interesse e com a oferta e a procura no mercado.

  • CÂMBIO PARALELO

    Mercado de câmbio no qual a conversão da moeda local por moeda estrangeira é feita por agentes não autorizados pelas autoridades monetárias e com finalidade de lucro.

  • CAPITAL DE RISCO

    Capital investido em um bem, valor, ou empreendimento onde existe um elemento de risco, ou seja, a possibilidade de perder (ou ganhar), como no caso das ações das empresas particulares.

  • CAPITAL SOCIAL

    Montante de capital de uma sociedade anônima que os acionistas vinculam a seu patrimônio como recursos próprios, destinados ao cumprimento dos objetivos da mesma.

  • CAPITALIZAÇÃO

    Ver. Regime Financeiro de Capitalização.

  • CAPITALIZAÇÃO DE JUROS

    Sistema de empréstimo ou de cálculo financeiro em que os juros são periodicamente incorporados ao principal.

  • CAPTAÇÃO

    Obtenção de recursos para aplicação a curto, médio e/ou longo prazos.

  • CARÊNCIA

    Prazo mínimo estabelecido no Regulamento do Plano de Benefícios para que o participante ou beneficiário adquira direito a um ou mais benefícios ou possa optar por institutos previstos no plano.

  • CARREGAMENTO

    É o percentual incidente sobre as contribuições pagas, para atender às despesas administrativas das EFPC’s.

  • CARTEIRA

    Conjunto dos títulos ou valores monetários que são objeto de negociação.

  • CARTEIRA DE AÇÕES

    Conjunto de ações de diferentes empresas.

  • CAUÇÃO

    Depósito de títulos ou valores efetuados para o credor, visando garantir o cumprimento de obrigação assumida.

  • CAUTELA

    Certificados ou títulos provisórios, também chamados de títulos múltiplos, fornecidos por sociedades anônimas a seus acionistas, que comprovam a existência de determinado número de ações.

  • CBLC – Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia

    Responsável pela compensação, liquidação e controle de riscos das operações realizadas no mercado à vista, a termo e de opções.

  • CDB – Certificado de Depósito Bancário

    Título emitido por bancos de investimento e comerciais, representativo de depósitos a prazo.

  • CDI – Certificado de Depósito Interbancário

    É uma espécie de Certificado de Depósito Bancário (títulos que os bancos lançam para captar dinheiro no mercado). A sua função é transferir dinheiro de um banco para outro.

  • CERTIFICADO

    Documento que comprova a existência e a posse de determinada quantidade de ações.

  • CERTIFICADO DE DEPÓSITO

    Título representativo das ações depositadas em uma instituição financeira.

  • CERTIFICADO DO PARTICIPANTE

    Documento particular do participante que registra as características principais do plano de previdência contratado, em especial as cláusulas e critérios relativos aos benefícios.

  • CESSÃO DE COTAS

    Ceder a titularidade das cotas de um fundo para outra pessoa.

  • CETIP – Central de Custódia e Liquidação de Títulos

    É uma companhia de capital aberto que oferece produtos e serviços de registro, custódia, negociação e liquidação de ativos e títulos, proporcionando liquidez, segurança e transparência para as operações financeiras. É a maior depositária de títulos privados e maior câmara de ativos privados do país.

  • CHAMADA DE CAPITAL

    Subscrição de ações novas, com ou sem ágio, para aumentar o capital de uma empresa.

  • CIÊNCIAS ATUARIAIS

    Ramo da matemática com atuação nas áreas de avaliação de riscos, cálculos no setor de seguros, pecúlios, planos de aposentadoria, pensões, financiamento e capitalização.

  • CISÃO

    É o processo de transferência, por uma empresa, de parcelas de seu patrimônio a uma ou mais sociedades, já existentes ou constituídas para esse fim, extinguindo-se a empresa cindida se houver versão de todo o seu patrimônio.

  • CLÁUSULA

    Cada um dos parágrafos e capítulos com as condições gerais, especiais e particulares de um contrato.

  • CLÁUSULA ADICIONAL

    É a adição de artigos ou disposições em um contrato, tratado, testamento, ou qualquer outro documento semelhante, público ou privado.

  • CLUBE DE INVESTIMENTO

    Grupo de pessoas físicas, que aplica recursos de uma carteira diversificada de ações, administrada por uma instituição financeira autorizada.

  • CMN – Conselho Monetário Nacional

    Órgão Federal responsável pela formulação da política da moeda e do crédito e pela orientação, regulamentação e controle de todas as atividades financeiras desenvolvidas no País.

  • CNBV – Comissão Nacional de Bolsas de Valores

    Associação civil sem fins lucrativos, que tem a função de representar os interesses das bolsas de valores do País perante as autoridades monetárias e reguladoras do mercado.

  • CNPB – Cadastro Nacional de Planos de Benefícios

    Cadastro que identifica por um número exclusivo os planos de benefícios administrados por entidades fechadas de previdência complementar, o qual acompanhará todos os seus aspectos contábeis e de gestão.

  • CNPC – Conselho Nacional de Previdência Complementar

    Órgão colegiado que integra a estrutura básica do Ministério da Previdência Social cuja competência é regular o regime de previdência complementar operado pelas entidades fechadas de previdência complementar (fundos de pensão).

  • CNPJ – Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica

    Cadastro realizado e administrado pela Receita Federal do Brasil, com o intuito de registrar as informações cadastrais de pessoas jurídicas.

  • COBERTURA

    Provisão de fundos que garantam uma operação financeira; pagamento da indenização ao segurado ou aos seus beneficiários referente ao prejuízo causado pela ocorrência de um dos riscos previstos no contrato de seguro.

  • COFINS

    Sigla que designa a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social. Incide sobre o faturamento bruto das empresas e é destinada à seguridade social.

  • COLIGADO

    Ver Autopatrocinado

  • COLOCAÇÃO DIRETA

    Aumento de capital realizado pela subscrição de ações, pelos atuais acionistas, diretamente em uma empresa

  • COLOCAÇÃO INDIRETA

    de capital realizado mediante subscrição, no qual a totalidade das ações é adquirida por uma instituição financeira ou por um grupo reunido em consórcio, para posterior colocação no mercado secundário.

  • COMBINAÇÃO DE OPÇÕES

    Compra ou venda de duas ou mais séries de opções sobre a mesma ação-objeto, porém com preços de exercício e/ou datas de vencimento diferentes.

  • COMISSÃO

    Comissão, remuneração percentual, de empregado ou agente, sobre volume de negócios, vendas ou cobranças

  • COMITENTE

    Pessoa que encarrega uma outra de comprar, vender ou praticar qualquer ato, sob suas ordens e por sua conta, mediante certa remuneração a que se dá o nome de comissão.

  • COMMERCIAL PAPER

    Nota promissória emitida por uma sociedade anônima no mercado externo para viabilizar captação de recursos no curto prazo e sanar problemas momentâneos de liquidez, como uma alternativa aos empréstimos bancários. Título de dívida sem nenhuma garantia, com remuneração prefixada mediante desconto sobre o valor de face do título.

  • COMMODITY

    Termo geralmente utilizado no plural – commodities –, significa literalmente mercadoria, mas no mercado financeiro define um tipo de produto com grau pequeno de industrialização, agrícola ou mineral, e de grande importância econômica por ser bastante negociado no mercado de importação e exportação.

  • COMPANHIA DE CAPITAL ABERTO

    Empresa que tem suas ações registradas na Comissão de Valores Mobiliários – CVM e distribuídas entre um determinado número de acionistas, que podem ser negociadas em bolsas de valores ou no mercado de balcão

  • COMPANHIA DE CAPITAL FECHADO

    Empresa com capital de propriedade restrita, cujas ações não podem ser negociadas em bolsas de valores ou no mercado de balcão.

  • COMPANHIA DE INVESTIMENTO

    Empresa comercial constituída com a finalidade de investir principalmente na compra de participações em outras empresas, sem procurar conseguir o controle delas. Em geral, são sociedades anônimas que procuram atrair capital com a venda de suas ações ao público. Apesar do relativo risco, e por isso mesmo, oferecem boa rentabilidade.

  • COMPLEMENTAÇÃO

    Ver. Benefício

  • COMPLEMENTAÇÃO ANTECIPADA

    Ver. Benefício Antecipado.

  • COMPLIANCE

    Significa o dever de estar em conformidade e de fazer cumprir regulamentos internos e externos, agir de acordo com uma regra, um pedido ou um comando. Assim, os investidores têm a segurança de que suas aplicações serão geridas segundo as diretrizes estabelecidas.

  • COMPOSIÇÃO FAMILIAR

    Conjunto de beneficiários considerados na apuração dos compromissos decorrentes de morte ou reclusão do participante.

  • COMPRA EM MARGEM

    Aquisição de ações a vista, com recursos obtidos pelo investidor por meio de um financiamento com uma sociedade corretora que opere em Bolsa. É uma modalidade de operação de conta margem.

  • COMPULSÓRIO (DEPÓSITO)

    As instituições financeiras são obrigadas a recolher uma parte do montante dos depósitos à vista e a prazo feitos por seus clientes, que fica retida no Banco Central para evitar a multiplicação descontrolada de moeda escritural.

  • COMPULSÓRIO SOBRE FUNDOS DE INVESTIMENTO

    Por determinação do Banco Central, os fundos de investimento também recolhem compulsório sobre os valores aplicados no fundo.

  • CONCORDATA

    Recurso jurídico concedido à empresa insolvente (que não tem condições momentâneas de saldar seus compromissos nos prazo contratuais) para evitar ou suspender sua falência. Permite que a empresa continue com suas atividades, ficando obrigada a liquidar suas dívidas dentro de um prazo estabelecido judicialmente. Distingue-se, portanto, da falência, quando a empresa insolvente cessa todas as suas atividades.

  • CONDOMÍNIO

    O conceito de condomínio no mercado financeiro é análogo ao de condomínio de um prédio residencial. Todo fundo de investimento é um condomínio, aberto ou fechado. Os fundos de investimento disponíveis para os investidores aplicarem são condomínios abertos, no sentido de que qualquer investidor que possua a quantia para a aplicação mínima definida e que deseje aplicar, pode ser um cotista do fundo, tornando-se então um “condômino” com direitos e obrigações estabelecidos pelo regulamento específico daquele fundo.

  • CONSELHO DELIBERATIVO

    Órgão máximo da estrutura organizacional, é responsável pela definição da política geral de administração da entidade e de seus planos de benefícios.

  • CONSELHO FISCAL

    Nas empresas, os membros são eleitos pela assembléia geral e garantem o exercício do direito dos proprietários de fiscalizar a gestão dos negócios, os resultados apresentados pela administração e as variações patrimoniais da empresa. É um órgão de governança que informa, opina, sugere e denuncia, sem, no entanto, exercer a administração ativa da companhia. Nos fundos de pensão, também tem papel controlador, fiscalizador e relator. O Conselho Fiscal opina sobre a administração da entidade e seus aspectos organizacionais, contábeis, econômico-financeiros e atuarias. É composto, por no máximo, quatro membros.

  • CONTA MARGEM

    Forma de negociação de ações que possibilita ao investidor obter, em uma sociedade corretora, financiamento para a compra dos títulos e/ou empréstimo dos papéis para a venda. Essas operações são feitas no mercado a vista de bolsa. O custo e liquidação dos títulos e sua devolução, são pactuados diretamente entre o investidor e a corretora.

  • CONTABILIDADE

    Arte e ciência de registrar, classificar e resumir, de maneira que faça sentido em termos monetários, as transações e eventos que são, pelo menos em parte, de caráter financeiro, e a interpretação de seus resultados.

  • CONTAS DE RESULTADO EM EXERCÍCIO

    Demonstração das variações patrimoniais em determinado período contido no Relatório Anual de uma empresa.

  • CONTAS PATRIMONIAIS

    Ver. Balanço Patrimonial da EFPC.

  • CONTAS RETIFICADORAS DO ATIVO

    Saldos credores ratificadores no ativo. São demonstrados com o sinal de menos.

  • CONTRATO A TERMO

    Contrato que estabelece que um determinado ativo será comprado e vendido no futuro por um preço fixado no presente.

  • CONTRATO DE CÂMBIO

    Contrato para troca de moedas. O contrato de câmbio entre dólar e real fixa a quantidade de reais que devem ser trocados por uma quantidade de dólares. Empresas exportadoras e importadoras utilizam freqüentemente contratos de câmbio, que têm suas regras estabelecidas pelo Banco Central.

  • CONTRATO DE OPÇÃO

    Contrato através do qual o investidor recebe o direito de COMPRAR (opção de compra) ou VENDER (opção de venda) uma quantidade de um ativo a um preço pré-estabelecido durante o período de validade da opção.

  • CONTRIBUIÇÃO

    Aporte pecuniário para custear o plano de benefícios.

  • CONTRIBUIÇÃO ADICIONAL

    Ver Contribuição Extraordinária.

  • CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

    Modalidade de plano de benefícios em que os benefícios programados tem seu valor permanentemente ajustado ao saldo de conta mantido em favor do participante, inclusive na fase de percepção de benefícios, considerando o resultado líquido de sua aplicação, os valores aportados e os benefícios pagos.

  • CONTRIBUIÇÃO EXTRAORDINÁRIA

    Contribuição realizada pela patrocinadora e pelo participante ou assistido, destinada ao custeio de déficit, serviço passado e outras finalidades não incluídas na contribuição normal.

  • CONTRIBUIÇÃO NORMAL

    Contribuição realizada pela patrocinadora e pelo participante ou assistido, de caráter obrigatório e definida anualmente no plano de custeio, destinada a constituição de reservas com a finalidade de prover o pagamento de benefícios.

  • CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL

    Modalidade de plano em que os benefícios programados apresentem a conjugação das características das modalidades de contribuição definida e benefício definido.

  • CONTRIBUIÇÕES DA GERAÇÃO ATUAL

    Valor presente das contribuições da patrocinadora e dos participantes e dos assistidos, destinada a financiar os benefícios.

  • CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS VIGENTES

    Valor presente das contribuições especiais vigentes no mês da contabilização.

  • CONTROLE ACIONÁRIO

    Posse, por um acionista ou grupo de acionistas, da maior parcela de ações, com direito a voto, de uma empresa, garantindo o poder de decisão sobre ela.

  • CONTROLES INTERNOS

    Processos internos executados com o objetivo de alcançar eficiência e eficácia, exatidão e integridade, confiabilidade, efetivo controle dos riscos, conformidade com leis e regulamentos, na condução das atividades da EFPC.

  • CONVÊNIO DE ADESÃO

    Instrumento que formaliza a relação contratual entre os patrocinadores ou instituidores e a entidade de previdência complementar, vinculando-os a um determinado plano de benefícios.

  • CONVERSÃO

    Mudança das características de um título. No caso de ações, pode ser sua transformação, quanto à forma (de nominativa para escritural) ou à espécie (de ordinárias em preferenciais ou vice-versa), dependendo de deliberação de assembléia geral extraordinária e do disposto no

  • COPOM – Comitê de Política Monetária

    Órgão com as atribuições de estabelecer as diretrizes da política monetária e definir a taxa de juros.

  • CORRETAGEM

    Taxa de remuneração de um intermediário financeiro na compra ou venda de títulos.

  • CORRETOR

    Intermediário na compra e venda de títulos.

  • COSO

    Sigla de Committee of Sponsoring Organizations (em português: Comitê das Organizações Patrocinadoras), organização privada criada nos EUA, cujo principal objetivo é prevenir e evitar fraudes nas demonstrações contábeis da empresa, com orientações para a melhoria dos relatórios financeiros por meio da ética, efetividade dos controles internos e governança corporativa.

  • COTA

    Parcelas de idêntico valor em que se divide o patrimônio, que variam ao longo do tempo em função da respectiva rentabilidade líquida.

  • COTA DE BENEFÍCIO

    Ver. Cota Previdencial.

  • COTA DE PLANO

    Ver. Cota Previdencial.

  • COTA PREVIDENCIAL

    Fração do patrimônio atualizada pela rentabilidade dos investimentos ou pelo índice do plano, que permite apurar a participação individual de cada um no patrimônio total do plano de benefícios.

  • COTAÇÃO

    Preço registrado no ato da negociação com títulos em bolsa de valores.

  • COTAÇÃO DE ABERTURA

    Cotação de um título na primeira operação realizada em um dia de negociação.

  • COTAÇÃO DE FECHAMENTO

    Última cotação de um título em um dia de negociação.

  • COTAÇÃO MÁXIMA

    A maior cotação atingida por um título no decorrer de um dia de negociação.

  • COTAÇÃO MÉDIA

    Cotação média de um título, constatada no decorrer de um dia de negociação.

  • COTAÇÃO MÍNIMA

    A menor cotação de um título, constatada no decorrer de um dia de negociação.

  • CRASH

    Termo em inglês que significa estrondo. A denominação é usada para designar uma forte queda nas bolsas de valores. A palavra ficou conhecida após a quebra da Bolsa de Valores de Nova York, em 24/10/1929.

  • CRÉDITO MERCANTIL

    Total de dinheiro disponível para empréstimos a empresas.

  • CRPC – Câmara de Recursos da Previdência Complementar

    Órgão que integra a estrutura básica do Ministério da Previdência Social, com a competência de apreciar e julgar os recursos em face de decisões da Diretoria Colegiada da PREVIC relativas à conclusão dos relatórios finais dos processos administrativos com a finalidade de apurar responsabilidade de pessoa física ou jurídica, bem como as relativas à aplicação das penalidades cabíveis e impugnações referentes aos lançamentos tributários da Taxa de Fiscalização e Controle da Previdência Complementar – TAFIC.

  • CSLL – Contribuição Social sobre o Lucro Líquido

    Trata-se de um tributo federal pago pelas empresas, com alíquota que varia de acordo com a atividade da empresa.

  • CUPOM

    Taxa determinada no momento da emissão de um título de renda fixa, pela qual um emissor se compromete a pagar juros em intervalos periódicos.

  • CUPOM CAMBIAL

    É o rendimento em dólar, pago ao investidor que assume risco de investir em outra moeda (no caso brasileiro, o real), bem como a taxa de juro paga nos títulos com correção cambial. A diferença entre a taxa de juros interna e a desvalorização da taxa de câmbio do país equivale ao juro pago em dólar, ou cupom cambial.

  • CUSTEIO ADMINISTRATIVO

    Valor destinado à cobertura das despesas decorrentes da administração dos Planos de Benefícios de uma EFPC, conforme definido nos Regulamentos e respectivos planos de custeio.

  • CUSTO FIXO

    Custos que não variam de acordo com o volume de produção, e em geral são contratuais, como é o caso, por exemplo, dos gastos com aluguel.

  • CUSTO IRRECUPERÁVEL

    Quando não se podem recuperar investimentos em projetos que não foram adiante.

  • CUSTÓDIA DE TÍTULOS

    Serviço de guarda de títulos e de exercício de direitos, prestado aos investidores.

  • CUSTÓDIA FUNGÍVEL

    Serviço de custódia no qual os valores mobiliários retirados podem não ser os mesmos depositados, embora sejam das mesmas espécie, qualidade e quantidade.

  • CUSTÓDIA INFUNGÍVEL

    Serviço de custódia no qual os valores mobiliários depositados são mantidos discriminadamente por depositante. É quando não há a permissão de que os valores mobiliários retirados não sejam os mesmos depositados no serviço de custódia, embora sejam da mesma espécie, qualidade e quantidade.

  • CVM – Comissão de Valores Mobiliários

    Autarquia federal vinculada ao Ministério da Fazenda para fiscalizar e disciplinar as operações ou valores mobiliários e demais assuntos inerentes ao mercado de títulos. Desta forma, a CVM disciplina o funcionamento do mercado de valores mobiliários e a atuação das partes envolvidas, como as companhias abertas, os intermediários financeiros e os investidores, além de outros cuja atividade gira em torno desse universo principal.

  • DANO DIRETO

    Todo e qualquer dano material causado ao próprio objeto ou à parte de um objeto segurado.

  • DANO MORAL

    Toda e qualquer ofensa ou violação que venha a ferir princípios de ordem moral de alguém, como os que se referem à sua liberdade, à sua honra, à sua pessoa ou à sua família.

  • DATA DA DECLARAÇÃO

    Dia do registro em pregão da operação de compra ou de venda à vista das ações-objeto de opção.

  • DATA DE ADMISSÃO AO PLANO

    Data em que uma pessoa física se torna Participante do Plano de Benefícios.

  • DATA DE CONCESSÃO DO BENEFÍCIO

    Termo usado no setor de previdência que reflete a data em que o contratante do plano de previdência começará a receber seus benefícios. Esta data em geral está determinada nos contratos dos planos de previdência e não precisa coincidir com a data de aposentadoria da pessoa.

  • DATA DE INSCRIÇÃO

    É a data do registro da proposta de inscrição do interessado em participar do plano de previdência, concomitantemente à comprovação do pagamento da primeira contribuição.

  • DATA DE VENCIMENTO DA OPÇÃO

    O dia em que se extingue o direito de uma opção.

  • DATA DO INÍCIO DO BENEFÍCIO

    Data a partir da qual o benefício é devido ao assistido.

  • DAY TRADE

    Conjugação de operações de compra e de venda realizadas em um mesmo dia, dos mesmos títulos, para um mesmo comitente, por uma mesma sociedade corretora, liquidadas por meio de um único agente de compensação, cuja liquidação é exclusivamente financeira.

  • DCTF

    Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais, para a prestação das informações relativas aos tributos e contribuições federais apurados pelas Pessoas Jurídicas.

  • DEAL

    Negócios, transação.

  • DEALER

    É a instituição financeira que tem linha direta com o BACEN. Uma espécie de clube fechado. Por esse privilégio, a instituição dealer tem algumas obrigações, como transmitir ao mercado financeiro as comunicações do BACEN sobre leilões, juros, etc. E apresentar lance em todos os leilões de títulos. Esse clube tem periodicamente instituições entrando e outras saindo.

  • DEBÊNTURES

    São títulos privados emitidos por empresas quando precisam captar recursos no mercado. Quem os adquire se torna credor da empresa e recebe juros periódicos pelo empréstimo.

  • DEBÊNTURES CONVERSÍVEIS EM AÇÕES

    Aquelas que, por opção de seu portador, podem ser convertidas em ações, em épocas e condições predeterminadas.

  • DECISÃO-NOTIFICAÇÃO

    É o documento pelo qual se dá conhecimento ao autuado do resultado do julgamento de auto de infração. Integram a Decisão-Notificação o relatório contendo o resumo dos fatos apurados, a análise da defesa e das provas produzidas.

  • DEDUÇÕES ESTATUTÁRIAS

    Parte dos lucros de uma empresa que, conforme determinação de seu estatuto social, não é distribuída aos acionistas.

  • DÉFICIT ATUARIAL

    Corresponde à insuficiência de recursos para cobertura dos compromissos dos Planos de Benefícios. Registra a diferença negativa entre os bens e direitos (ativos) e as obrigações (passivos) apurada ao final de um período contábil.

  • DEFLAÇÃO

    É a variação negativa dos preços da economia. Significa a produção e o consumo decrescentes de bens e serviços produzidos em um país.

  • DEMANDA

    Procura por um bem ou serviço particular que determina o movimento da oferta. No conceito econômico, a demanda não é representada simplesmente pelo desejo ou a necessidade de um consumidor de adquirir algo, mas requer que ele tenha também a capacidade efetiva de pagar pela mercadoria ou serviço.

  • DEMOCRATIZAÇÃO DO CAPITAL

    Processo pelo qual a propriedade de uma empresa fechada se transfere, total ou parcialmente, para um grande número de pessoas que desejam dela participar e que não mantêm, necessariamente, relações entre si, com o grupo controlador ou com a própria companhia.

  • DEMOGRAFIA

    Estudo estatístico das coletividades humanas. Os dados para esse estudo, que abrange o tamanho, a distribuição territorial e as mudanças de uma população, são obtidos por meio dos censos, estatísticas vitais e outras observações específicas.

  • DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS FINANCEIROS

    Demonstrativo que informa as movimentações de entrada e saída de recursos financeiros por programa (previdencial, assistencial, administrativo e de investimentos), evidenciando a variação das disponibilidades ocorridas no período.

  • DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DE EXERCÍCIO

    Demonstrativo que informa receitas e despesas reconhecidas durante o exercício, de forma a evidenciar o resultado líquido dos Planos de Benefícios da EFPC.

  • DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

    Conjunto de relatórios emitidos pelas EFPCs, como o Balanço Patrimonial, Balancete, Mutação do Ativo Líquido, dentre outras, bem como as respectivas notas explicativas às demonstrações.

  • DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

    Demonstrativos contábeis e demais informações apresentados pelas empresas, que relatam a situação econômica e financeira de uma companhia. Essas demonstrações são apresentadas em valores nominais e apresentam, para comparação, os resultados do exercício anterior.

  • DEMONSTRATIVO DE INVESTIMENTO

    Radiografia das aplicações financeiras dos planos de benefícios feitas mensalmente pela EFPC, mas cuja divulgação para participantes e assistidos deve ser anual e integra o Relatório Anual.

  • DEPENDENTE

    Pessoa ligada ao participante e que poderá ter direito a benefícios previstos no plano, de acordo com as normas estabelecidas em regulamento e estatuto próprio.

  • DERIVATIVOS

    São os mercados futuros e de opções, que viabilizam as operações de hedge. Operam preços futuros de ações, dólar, ouro, juros e mercadorias agrícolas.

  • DESÁGIO

    Diferença, para menos, entre o valor nominal e o preço de compra de um título de crédito. É o desconto no preço de um título.

  • DESDOBRAMENTO

    Ver. Split.

  • DESDOBRAMENTO DE CAUTELAS

    Sistema de desdobramento de ações, efetuado pelas bolsas de valores, de modo a adequar a quantidade de ações ao lote-padrão.

  • DESIGNADO

    Ver. Beneficiário.

  • DESPESA ADMINISTRATIVA

    Valor gasto com a administração das EFPC e dos Planos de Benefícios.

  • DESPESA FINANCEIRA

    Custo dos encargos financeiros dos empréstimos e financiamentos: juros, mora, multas contratuais etc.

  • DESPESA PREVIDENCIAL

    Despesas decorrentes de compromissos previdenciais da entidade.

  • DESVIO-PADRÃO

    Medida estatística da variação absoluta ou dispersão de uma distribuição de freqüência em torno de sua média (quanto menor o desvio, maior a representatividade da média), obtida mediante o cálculo da raiz quadrada da média aritmética dos quadrados dos desvios da distribuição de freqüência.

  • DIFERIMENTO

    Tempo de espera até a implementação de condição para fins de obtenção de benefício, sem que haja pagamento ou recebimento na forma prevista no Regulamento do Plano de Benefícios.

  • DIREITO DE REGRESSO

    O direito de regresso (ou regressivo) é o direito de uma pessoa reaver de outra, que tenha sido causadora do dano, algo que desfalcou seu patrimônio, com o devido pagamento ou indenização.

  • DIREITO DE RETIRADA

    Direito de um acionista de se retirar de uma empresa, mediante o reembolso do valor de suas ações, quando for dissidente de deliberação de assembléia que aprovar determinadas matérias definidas na legislação pertinente.

  • DIREITO DE SUBSCRIÇÃO

    Direito de um acionista de subscrever preferencialmente novas ações de uma sociedade anônima quando houver aumento de seu capital. É o direito de aquisição de um novo lote de ações pelos acionistas – com preferência na subscrição – em quantidade proporcional às possuídas, em contrapartida à estratégia de aumento de capital da empresa.

  • DIREITOS ADQUIRIDOS

    São aqueles direitos que o seu titular, ou alguém por ele, possa exercer, como aqueles cujo começo do exercício tenha termo pré-fixo, ou condição pré-estabelecida inalterável, a arbítrio de outrem (§2º, Art. 6º, do Decreto Lei nº 4.657, de 1942). Diz-se que o titular do direito adquirido está, em princípio, protegido de futuras mudanças legislativas que regulem o ato pelo qual fez surgir seu direito, precisamente porque tal direito já se encontra incorporado ao seu patrimônio jurídico, ainda que não tenha sido exercitado, gozado. O titular do direito adquirido extrairá os efeitos jurídicos elencados pela norma que lhe conferiu o direito mesmo que surja nova lei contrária à primeira.

  • DIRETORIA EXECUTIVA

    Órgão que compõe a estrutura mínima obrigatória de uma EFPC e é responsável pela sua administração, em conformidade com a política de administração traçada pelo conselho deliberativo

  • DISCLOSURE

    Divulgação de informações por parte de uma empresa, possibilitando uma tomada de decisão consciente pelo investidor e aumentando sua proteção. Transparência da empresa. É um termo geralmente utilizado pelo mercado financeiro, especialmente no caso da postura de empresas e instituições financeiras que tenham títulos no mercado de capitais.

  • DISPONIBILIDADE

    Soma do dinheiro em caixa, em contas correntes bancárias e em aplicações de liquidez imediata.

  • DISPONÍVEL

    Valor composto pelas exigibilidades imediatas, que são as contas de caixa, contas bancárias, cheques para cobrança e aplicações no mercado aberto.

  • DISTRIBUIDORA

    Ver. Sociedade Distribuidora.

  • DIVERGÊNCIA NÃO PLANEJADA (DNP)

    A Divergência não Planejada (DNP) é definida pela diferença entre a rentabilidade verificada e a taxa mínima atuarial estipulada nos planos de benefícios.

  • DIVERSIFICAÇÃO DA CARTEIRA

    A compra pelo investidor de uma variedade de títulos e papéis, de modo que o risco associado a cada um deles é neutralizado pelo conjunto.

  • DÍVIDA

    Obrigação de pagar, geralmente figurando em algum documento pertinente. Especificamente, é uma importância monetária, seja para o resgate de um empréstimo (loan), seja para o pagamento de bens e serviços.

  • DÍVIDA DE LONGO PRAZO

    Compromisso financeiro a ser saldado num prazo em geral superior a um ano.

  • DÍVIDA INTERNA PÚBLICA

    Dívida do governo com empresas, bancos e pessoas dentro do país.

  • DÍVIDA MOBILIÁRIA FEDERAL

    Dívida do governo federal, mais o dos estados e municípios, com empresas, bancos e pessoas dentro do país. Resultado do somatório dos títulos públicos em poder do mercado.

  • DIVIDEND YELD

    Taxa obtida dividindo-se o valor do dividendo distribuído por ação pelo preço atual da ação. O indicador pode ser usado na análise da rentabilidade esperada de uma ação

  • DIVIDENDO

    Correspondem à parcela de lucro líquido distribuída, na proporção da quantidade de ações detida, aos acionistas.

  • DIVIDENDO CUMULATIVO

    Dividendo que, caso não seja pago em um exercício, se transfere para outro.

  • DIVIDENDO PRO RATA

    Dividendo distribuído às ações emitidas dentro do exercício social proporcionalmente ao tempo transcorrido até o seu encerramento.

  • DÓLAR COMERCIAL

    Taxa de câmbio publicado pelo Banco Central, utilizada nas operações comerciais do país, no pagamento do serviço da dívida externa e nas remessas de dividendos das empresas com sede no exterior. Há uma taxa para venda e outra para compra de dólares pelos bancos.

  • DÓLAR FUTURO

    Cotação esperada pelo mercado financeiro do valor do dólar, no futuro. A idéia básica do dólar futuro é que ao comprá-lo, o investidor esteja garantindo o valor que pagará pelo dólar no futuro, desta forma minimizando seu risco e ficando a salvo das variações do mercado, pois conhece hoje o valor que pagará pelo dólar, no futuro.

  • DÓLAR PARALELO

    Cotação para comprar ou vender a moeda fora dos meios oficiais de conversão, geralmente realizada por doleiros. Em épocas de inflação alta, o dólar paralelo representa importante reserva de valor; com a inflação estável e em baixa, esta alternativa de investimento perde importância.

  • DOLO

    Qualquer manobra consciente por parte de uma pessoa com a intenção de causar prejuízo a outra pessoa; ato de má-fé, fraudulento, visando a prejuízo preconcebido, físico ou financeiro.

  • DOTAÇÃO INICIAL

    Valor de aporte para cobrir os encargos acumulados dos benefícios, nos termos da nota técnica atuarial e do Regulamento do Plano de Benefícios.

  • DPREV

    Sigla de Declaração sobre Opção de Tributação de Planos Previdenciários, que formaliza a opção por um regime de tributação feita pelos participantes de planos de benefício de caráter previdenciário.

  • DRAA – Demonstrativo dos Resultados da Avaliação Atuarial

    Documento elaborado pelo atuário da entidade contendo todas as informações exigidas pelo órgão de fiscalização e controle das EFPP’s relativamente ao plano de benefícios e à avaliação atuarial de cada exercício.

  • DUPLICATA

    Título de crédito formal e nominativo, disciplinado pelo direito cambiário, emitido pelo vendedor de mercadoria ou serviço correspondente a uma fatura de venda para pagamento contra apresentação ou a tempo certo de vista. Destina-se a aceite e pagamento pelo comprador. Circula mediante endosso para cobrança ou lastro em operação de crédito.

  • ECONOMIA DE ESCALA

    Ocorre quando o custo médio da produção de um bem diminui com o aumento da escala de produção.

  • ECONOMIA DE MERCADO

    Sistema econômico chamado também de “economia de livre mercado” ou “economia livre”, no qual a alocação de recursos é determinada apenas pela oferta e procura e não pela interferência direta do governo.

  • ECONOMIA MISTA

    Sistema econômico de mercado no qual os meios de produção possuem algum componente de intervenção estatal que pode ser um amplo setor de empresas estatais, a existência de controles de preços ou uma política econômica que enfatiza a planificação.

  • ELEGIBILIDADE

    Qualidade do que é elegível.

  • ELEGÍVEL

    Condição do participante ou beneficiário de Plano de Benefícios que cumpriu os requisitos necessários à obtenção de benefício oferecido pelo plano nos termos do respectivo Regulamento.

  • ELENCO DE BENEFÍCIOS

    Conjunto de benefícios oferecidos em um plano.

  • EMISSÃO

    Colocação de dinheiro ou títulos em circulação.

  • EMOLUMENTOS

    No mercado de ações refere-se à taxa paga à Bolsa de Valores por conta dos negócios de compra e venda serem realizados em suas instalações, e não inclui custos com liquidação e custódia das ações. No mercado segurador refere-se às despesas adicionais cobradas do segurado pela companhia seguradora, o que inclui os impostos e encargos incidentes sobre o seguro.

  • EMPRESA PATROCINADORA

    Ver. Patrocinador.

  • EMPRESA PRIVADA

    Organização pertencente a indivíduos ou grupos, que produz e/ou comercializa bens ou serviços com o objetivo de lucro.

  • ENDOSSO

    Assinatura no verso de um título, pelo qual o proprietário (endossante) transfere sua posse para outrem (endossatário). Instrumento utilizado pelo segurador quando é necessário alterar dados, modificar condições ou objetos da apólice ou transferi-la a outro.

  • ENTIDADE COM MULTIPLANO

    EFPC que administra plano ou conjunto de planos de benefícios para diversos grupos de participantes com independência patrimonial.

  • ENTIDADE DE PLANO COMUM

    EFPC que administra plano ou conjunto de planos acessíveis a um universo de participantes.

  • ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR – EFPC

    Sociedade civil ou fundação, sem fins lucrativos, sob a forma de sociedade civil ou fundação, que tem por objeto instituir planos privados de concessão de benefícios. Popularmente conhecida como Fundo de Pensão.

  • ENTIDADE MULTIPATROCINADA

    EFPC que congrega mais de um patrocinador ou instituidor.

  • ENTIDADE SINGULAR

    Entidade fechada que está vinculada a apenas um patrocinador ou instituidor.

  • EQUILÍBRIO TÉCNICO

    Situação apurada ao final de um período contábil em que o valor dos bens e direitos é igual ao das obrigações.

  • EQUILÍBRIO TÉCNICO ATUARIAL

    Expressão utilizada para denotar a igualdade entre o total dos recursos garantidores de um Plano de Benefícios, acrescido das contribuições futuras, e o total dos compromissos atuais e futuros desse plano.

  • EQUIVALÊNCIA ATUARIAL

    Expressão utilizada para denotar a igualdade entre o total dos recursos garantidores de um Plano de Benefícios, acrescido das contribuições futuras, e o total dos compromissos atuais e futuros desse plano.

  • EQUIVALÊNCIA FINANCEIRA

    Igualdade entre dois montantes apurados financeiramente.

  • ESPECULAÇÃO

    Negociar em qualquer mercado, com o objetivo de auferir lucros no curto prazo, aproveitando uma situação temporária do mercado.

  • ESTATUTO

    Conjunto de normas e regras em que se fixam os princípios institucionais da entidade. Nele constam as diretrizes que devem ser seguidas, com relação a aspectos jurídicos, administrativos, financeiros, etc.

  • EXCEDENTE FINANCEIRO

    Diferença positiva entre a rentabilidade exigida pelo plano de benefícios e aquela obtida como resultado no investimento dos recursos garantidores das reservas do plano.

  • EXERCICIO DE OPÇÕES

    Operação pela qual o titular de uma operação exerce seu direito de comprar ou de vender o lote de ações-objeto, ao preço de exercício.

  • EXIGIBILIDADES

    Exigências financeiras; dívidas que a empresa tem de pagar.

  • EXIGÍVEL ATUARIAL

    É o total das Reservas Matemáticas do Plano de Benefícios.

  • EXIGÍVEL CONTINGENCIAL

    Corresponde ao somatório dos valores relativos aos fatos administrativos, trabalhistas e fiscais oriundos de interpretações divergentes, que merecerão decisões futuras, gerando ou não desembolso pela entidade.

  • EXIGÍVEL EM LONGO PRAZO

    Exigibilidades que vencem após o encerramento do exercício subseqüente.

  • EXIGÍVEL OPERACIONAL

    Somatório dos compromissos de curto prazo já assumidos pela entidade, tais como benefícios a pagar, despesas administrativas a pagar, impostos e taxas a serem pagos, entre outros.

  • EXPECTATIVA DE VIDA

    Tempo estimado de vida para uma pessoa, a partir da sua idade atual, extraído de uma tábua de sobrevivência.

  • EXTRATO

    Documento enviado, periodicamente, a cada participante que contém informações individualizadas sobre as contribuições realizadas para o plano e a rentabilidade líquida obtida com as aplicações dos recursos e outras movimentações.

  • FAIRNESS

    Expressão inglesa que pode ser compreendida como senso de justiça. É um dos quatro valores clássicos da governança corporativa, juntamente com disclosure, accountability e compliance, presentes nos códigos das boas práticas de alta gestão das companhias em toda parte do mundo.

  • FATOR ATUARIAL

    Fator calculado com base em premissas que poderão ser de natureza financeira, biométrica e demográfica, dentre outras, com o objetivo de preservar o equilíbrio entre compromissos e obrigações recíprocas, a exemplo do cálculo de contribuições, prêmios de seguro, etc.

  • FATOR DE CAPACIDADE

    Fator que reflete a perda do poder aquisitivo em termos reais ocorrida nos salários ou benefícios, obtido em função do nível de inflação estimada no longo prazo e da freqüência de reajustes.

  • FATOR DE DETERMINAÇÃO DO VALOR REAL AO LONGO DO TEMPO

    Ver. Fator de Capacidade.

  • FATOR DE RENDA

    É o valor numérico, calculado mediante utilização de uma tábua biométrica e uma taxa de juros, utilizado para obtenção do valor do benefício do plano de previdência.

  • FATOR PREVIDENCIÁRIO

    Coeficiente atuarial utilizado pelo Regime Geral de Previdência Social para cálculo de aposentadoria desde 1999, quando passou a vigorar a Lei 9.876/98. A equação do fator previdenciário faz um cruzamento entre a idade do segurado, o tempo de contribuição e a expectativa de sobrevida no momento da aposentadoria.

  • FECHAMENTO ANTERIOR

    Última cotação do papel no pregão regular do dia anterior, sem considerar o After Market.

  • FECHAMENTO DE CAPITAL

    Quando uma empresa retira suas ações da bolsa de valores e torna-se uma sociedade limitada.

  • FECHAMENTO DE POSIÇÃO

    Operação pela qual o lançador de uma opção, pela compra em pregão de outra opção da mesma série, ou o titular, pela venda de opções adquiridas, encerram as suas posições ou parte delas.

  • FECHAMENTO EM ALTA

    FECHAMENTO EM ALTA

  • FECHAMENTO EM BAIXA

    Quando o índice de fechamento da Bolsa de Valores for inferior ao índice de fechamento do pregão anterior.

  • FECHAMENTO HORÁRIO REGULAR

    Última cotação do papel no horário de pregão regular, sem considerar o After Market.

  • FIANÇA

    Forma de garantia através da qual se o devedor não arcar com a obrigação assumida, então uma terceira pessoa terá que arcar com o pagamento desta obrigação. Denominação dada também à garantia aceita como margem em operações na BM&F (Bolsa de Mercadorias e Futuros), sendo que a mesma é devolvida ao cliente na liquidação da operação.

  • FIEX

    Sigla de Fundo de Investimentos no Exterior. É um fundo de investimento doméstico, que aplica a maior parte de seus recursos em títulos da dívida externa brasileira.

  • FIF – Fundos de Investimento Financeiro

    São Fundos de Investimento em Títulos e Valores Mobiliários. São regulamentados e fiscalizados pelo Banco Central do Brasil, estando direcionados às áreas de commodities, taxas de juros interbancárias e outras modalidades.

  • FITVM – Fundo de Investimento de Títulos e Valores Mobiliários

    Categoria na qual se concentram os fundos de renda variável. Possui a finalidade de captar e investir recursos no mercado de capitais.

  • FLUXO DE CAIXA

    Fluxo de pagamento e recebimento efetivo de dinheiro por uma pessoa (física ou jurídica) ou instituição governamental.

  • FRANQUIA

    Participação do segurado nos prejuízos em caso de sinistro, em geral de acordo com a cobertura estipulada no contrato de seguro.

  • FRINGE BENEFITS

    Termo em inglês, de uso corrente na terminologia técnica brasileira, que designa os benefícios adicionais oferecidos por uma empresa ao funcionário, como assistência médica, fundo de pensão, seguro de vida, bonificações etc.

  • FUNDO ADMINISTRATIVO

    Aquele destinado à cobertura de despesas administrativas futuras do Plano de Benefícios.

  • FUNDO ASSISTENCIAL

    Aquele destinado à cobertura de despesas do plano assistencial.

  • FUNDO DE COBERTURA DA ANTI-SELEÇÃO DE RISCOS

    Provisão constituída no passivo para cobertura de riscos com probabilidade de ocorrência acima da média, e cujos prêmios previstos são relativamente pequenos para o risco que está sendo coberto. Sua finalidade é anular ou reduzir o aumento de contribuições.

  • FUNDO DE COBERTURA DA OSCILAÇÃO DE RISCOS

    Valor destinado à cobertura de riscos decorrentes de desvios das hipóteses adotadas na avaliação atuarial, cuja finalidade é anular ou reduzir o aumento de contribuições.

  • FUNDO DE INVESTIMENTO

    São condomínios constituídos com o objetivo de promover a aplicação coletiva dos recursos de seus participantes. São regidos por um regulamento e têm na assembléia geral dos cotistas o seu mecanismo básico de decisões.

  • FUNDO DE PENSÃO

    Denominação popular para Entidade Fechada de Previdência Complementar.

  • FUNDO DE SOLVÊNCIA

    Fundo de instituição facultativa, previsto em lei e sujeito a regulamentação, com o intuito de assegurar compromissos assumidos perante os participantes e assistidos de um Plano de Benefícios.

  • FUNDO IMOBILIÁRIO

    Fundo de investimento constituído sob a forma de condomínio fechado, cujo patrimônio é destinado a aplicações em empreendimentos mobiliários. As quotas desses fundos são registradas na CVM, podendo ser negociadas em bolsa de valores ou no mercado de balcão.

  • FUNDO INSTITUÍDO

    Entidade fechada de previdência complementar criada por pessoa jurídica de caráter profissional, classista ou setorial, visando ao oferecimento de Plano de Benefícios aos seus associados.

  • FUNDO MULTIPATROCINADO

    Ver. Entidade Multipatrocinada.

  • FUNDO MÚTUO DE AÇÕES

    Conjunto de recursos administrados por uma distribuidora de valores, sociedade corretora, banco de investimento, ou banco múltiplo com carteira de investimento, que os aplica em uma carteira diversificada de ações, distribuindo os resultados aos cotistas, proporcionalmente ao número de quotas possuídas.

  • FUNDO MÚTUO DE AÇÕES – CARTEIRA LIVRE

    Constituído sob a forma de condomínio aberto ou fechado, é uma comunhão de recursos destinados à aplicação em carteira diversificada de títulos e valores mobiliários, devendo manter no mínimo 51% de seu patrimônio aplicado em ações de emissão das companhias abertas, opções de ações, índices de ações e opções sobre índices de ações.

  • FUNDO MÚTUO DE INVESTIMENTO EM EMPRESAS EMERGENTES.

    Constituído sob a forma de condomínio fechado, é uma comunhão de recursos destinados a aplicação em carteira diversificada de valores mobiliários de emissão de empresas emergentes.

  • FUNDO PREVIDENCIAL

    Valor definido pelo Atuário na data da avaliação atuarial com o objetivo de cobertura de anti-seleção de riscos, oscilações de riscos ou mesmo para alocar recursos destinados a futuras alterações de plano de benefícios por excedentes financeiros.

  • FUSÃO

    Operação por meio da qual duas companhias decidem unir seus negócios. Muitas vezes, as ações das duas empresas são trocadas por papéis de uma terceira empresa, resultando da fusão.

  • GANHOS ATUARIAIS

    Compreendem os efeitos das diferenças positivas entre as premissas atuariais e o que ocorreu efetivamente (ajustes advindos da experiência); e os efeitos das mudanças nas premissas atuariais.

  • GANHOS/PERDAS DE CAPITAL

    Diz-se dos lucros (ou dos prejuízos) quando se vendem ativos de capital – ações, títulos de dívida de longo prazo e imóveis – por preços maiores (ou menores) do que os pagos na compra.

  • GASTO PÚBLICO

    Despesas contabilizadas de um governo e seus órgãos públicos que são projetadas em cada exercício num orçamento fiscal.

  • GERAÇÃO ATUAL

    Conjunto dos participantes e assistidos do Plano de Benefícios considerados na avaliação atuarial.

  • GERAÇÃO FUTURA

    Conjunto projetado de participantes que deverão aderir ao Plano de Benefícios nos exercícios seguintes aos da avaliação atuarial.

  • GO AROUND

    Expressão inglesa usada no mercado financeiro para designar operação de compra e venda de títulos do Tesouro Nacional realizada em leilões informais que podem ocorrer sempre que o Banco Central achar necessário.

  • GOODWILL

    Conjunto dos elementos não-materiais provenientes de fatores tais como reputação, relação com clientes e fornecedores, localização, etc, que contribuem para a valorização de uma instituição.

  • GOVERNANÇA CORPORATIVA

    Sistema implantado no âmbito da EFPC, que consiste na adoção de princípios, regras e práticas de governança, gestão e controles internos capazes de possibilitar o pleno cumprimento de seus objetivos.

  • GRAU DE RISCO

    O grau de risco compara o potencial de perda do ativo ou carteira em relação a um benchmark (referencial) padrão.

  • HABILITAÇÃO

    Momento em que o participante ou beneficiário preenche todos os requisitos regulamentares necessários à obtenção de benefício oferecido pelo plano.

  • HEDGE

    Termo também usado no Brasil, sem tradução. Expediente adotado por compradores e vendedores para se resguardarem de flutuações de preços. São operações destinadas à proteção do investidor que quer reduzir o risco de suas aplicações.

  • HEDGE FUND

    Um fundo de hedge não se limita a investir em ações, debêntures e títulos do governo. Além disso, faz operações para se proteger de possíveis quedas dos ativos nos quais investiu e utiliza técnicas sofisticadas de formação de carteiras, reúnem grandes massas de capital subscrito por grandes bancos comerciais e de investimentos que estão impedidos pelas normas bancárias de exercer diretamente tais atividades.

  • HIPOTECA

    Oneração de um bem imóvel ou equivalentes, com o objetivo de assegurar o pagamento de dívida. Embora o bem esteja com o credor, não há transmissão da propriedade; no entanto, somente com seu consentimento é que o devedor poderá dispor do bem.

  • HIPÓTESES ATUARIAIS

    Premissas ou hipóteses biométricas, demográficas, econômicas e financeiras utilizadas pelo atuário na elaboração da avaliação atuarial do Plano de Benefícios, adequadas às características do conjunto de participantes e ao respectivo Regulamento. Devem refletir a realidade da empresa (área de atuação, política de recursos humanos,etc), da comunidade local (cidade/país), bem como a legislação vigente e as variáveis macroeconômicas.

  • HIPÓTESES ECONÔMICO-ATUARIAIS

    Ver. Hipóteses Atuariais.

  • HOLDING

    Empresa que possui, como atividade principal, participação acionária em uma ou mais empresas. É a empresa que detém o controle acionário de outra empresa, ou de um grupo de empresas subsidiárias.

  • HOME BROKER

    É um moderno canal de relacionamento entre os investidores e as Sociedades Corretoras, que torna ainda mais ágil e simples as negociações no mercado acionário, permitindo o envio de ordens de compra e de venda de ações pela Internet, e possibilitando o acesso às cotações, o acompanhamento de carteiras de ações, entre vários outros recursos.

  • HOT MONEY

    São aplicações em títulos ou no câmbio, atraídas por taxas de juros elevadas ou diferenças cambiais significativas, de curtíssimo prazo, podendo deslocar-se de um mercado para outro com grande agilidade de flutuações de preços.

  • IBA – Instituto Brasileiro de Atuária

    Fundado em 1944, com o objetivo de ampliar o campo das pesquisas atuariais.

  • IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

    Órgão federal cuja atribuição básica consiste em fornecer informações e estudos de natureza estatística, geográfica, cartográfica, demográfica, de recursos naturais, etc. necessários ao conhecimento da realidade física, econômica e social do país para fins de planejamento econômico, social e segurança nacional.

  • IBOVESPA – Índice da Bolsa de Valores de São Paulo

    Mede o desempenho de uma carteira hipotética formada pelas ações mais negociadas na bolsa. A composição da carteira e o peso de cada papel mudam de acordo com a representatividade do mercado.

  • IBV – Índice da Bolsa de Valores

    Ver. Ibovespa.

  • IBX – Índice Brasil

    Mede o retorno de uma carteira hipotética composta por 100 ações selecionadas entre as mais negociadas na Bovespa, em número de negócios e volume financeiro.

  • ICSS

    Instituto Cultural de Seguridade Social.

  • IDH – Índice de Desenvolvimento humano

    Utilizado pelo Programa das Nações Unidas no seu relatório anual como medida comparativa de riqueza, alfabetização, educação, esperança média de vida, natalidade e outros fatores. É uma forma padronizada de avaliação e medida do bem-estar de uma população.

  • IGP – Índice Geral de Preços

    Existem dois tipos de IGP e ambos são calculados pela FGV (Fundação Getúlio Vargas).

  • IGP-DI. – Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna

    Índice cuja coleta dos dados vai do primeiro ao último dia do mês de referência e a divulgação ocorre próxima ao dia 20 do mês posterior. O IGP-DI foi criado com o objetivo de balizar o comportamento de preços em geral na economia.

  • IGP-M – Índice Geral de Preços do Mercado

    A coleta dos dados é efetuada entre o dia 21 do mês anterior ao dia 20 do mês de referência. A cada decêndio do período de coleta ocorrem divulgações de prévias. O IGP-M foi criado com o objetivo de se possuir um indicador confiável para as operações financeiras, especialmente as de longo prazo, sendo utilizado para correções de Notas do Tesouro Nacional (NTN) dos tipos B e C.

  • IMOBILIZADOS

    Diz-se dos bens e dos direitos destinados às atividades da empresa: terrenos, edifícios, máquinas e equipamentos, veículos, móveis e utensílios, obras em andamento para uso próprio etc.

  • INCAPACIDADE

    A perda da capacidade de um participante desempenhar todas as suas atividades, bem como qualquer trabalho remunerado. À incapacidade aplicam-se subsidiariamente as normas previstas na legislação da Previdência Social para o benefício de aposentadoria por invalidez ou auxílio-doença.

  • INCC – Índice Nacional de Construção Civil

    Avaliação dos preços no setor de construção civil, não só de materiais como de mão-de-obra.

  • INCORPORAÇÃO

    É a operação pela qual uma ou mais sociedades são absorvidas por outras que lhes sucedem em todos os direitos e obrigações.

  • INDEXADOR

    Termo usado para se referir ao índice utilizado para atualização monetária de um determinado valor. Dentre os indexadores mais usados no país estão os índices de inflação, como o IGP-M, o IPCA e o IPC-FIPE.

  • INDEXADOR DO PLANO

    Ver. Índice do Plano.

  • INDICE DE AÇÕES

    Os índices de ações são indicadores da variação de preços de mercados, utilizados para a avaliação comparada de performance dos preços das ações para administradores e investidores.

  • INDICE DE LUCRATIVIDADE

    Relação entre o capital atual e o inicial de uma aplicação.

  • INDICE DE SHARPE

    Número que expressa o retorno por nível de risco de cada carteira ou ativo. Este índice é usado pela Anbid para avaliar o desempenho dos fundos de investimento.

  • INDICE DO PLANO

    Índice econômico ou financeiro utilizado para corrigir monetariamente benefícios e outros valores do Plano de Benefícios, conforme definido no respectivo Regulamento.

  • INDICE PREÇO/LUCRO – P/L

    Quociente da divisão do preço de uma ação no mercado, em um instante, pelo lucro líquido anual da mesma. Assim, o P/L é o número de anos que se levaria para reaver o capital aplicado na compra de uma ação, pelo recebimento do lucro gerado por uma empresa. Para tanto, torna-se necessário que se condicione essa interpretação à hipótese de que o lucro por ação se manterá constante e será distribuído todos os anos.

  • INDICES DE PREÇOS

    Refere-se a um número que permite acompanhar a evolução do preço de um determinado produto (ou uma cesta de produtos) no tempo. A taxa de inflação, tradicionalmente chamada por índice de inflação, expressa a variação de um número índice que é calculado a partir da média ponderada de preços de vários bens (previamente estabelecidos por um instituto de pesquisa).

  • INFORMAÇÃO PRIVILEGIADA

    Informação que não é pública, conhecida por poucos. O insider é a pessoa que teve acesso à esta informação privilegiada. É ilegal usar informações privilegiadas para obter ganhos no mercado financeiro.

  • INPC – Índice Nacional de Preços ao Consumidor

    É o índice calculado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) com o objetivo de balizar os reajustes de salário.

  • INPLIT

    Termo utilizado para designar o mero agrupamento de ações: o número de papéis em poder do acionista diminui, sem alterar sua participação no capital da empresa.

  • INQUÉRITO ADMINISTRATIVO

    Destina-se a apurar responsabilidade de pessoa física ou jurídica, por ação ou omissão, no exercício das suas atribuições no âmbito do regime de previdência complementar operado pelas Entidade Fechadas de Previdência Complementar – EFPCs.

  • INSIDER

    Investidor que tem acesso privilegiado a determinadas informações, antes que estas se tornem conhecidas no mercado.

  • INSOLVÊNCIA

    Estado de quem que não pode pagar suas dívidas. Uma empresa é decretada tecnicamente insolvente pelos seus credores quando não consegue arcar com o pagamento das suas contas ou dívidas nos prazos estabelecidos. Na maioria dos casos, a insolvência técnica precede a falência de uma empresa.

  • INSS – Instituto Nacional de Seguridade Social

    Autarquia Federal, vinculada ao Ministério da Previdência Social, que administra o Regime Geral da Previdência Social, sendo responsável pelo pagamento da aposentadoria, pensão por morte, auxílio-doença, auxílio-acidente, entre outros benefícios previstos em lei.

  • INSTITUIDOR

    Pessoa jurídica de caráter profissional, classista ou setorial que oferece aos seus associados plano de benefícios de caráter previdenciário administrado por uma EFPC.

  • INSTRUÇÃO

    Instrumento de normatização usado por instituições governamentais como o Banco Central ou a Comissão de Valores Mobiliários o mercado financeiro.

  • INTERBANCÁRIO

    É o mercado em que são feitas as operações entre os bancos. O Banco Central atua nesse mercado para regular a quantidade de dinheiro do sistema financeiro. Para isso, ele toma ou empresta recursos a uma determinada taxa de juros.

  • INTERVENÇÃO

    Regime de administração especial que pode ser decretado pelo órgão fiscalizador ou por requerimento justificado do patrocinador, do instituidor, dos órgãos estatutários ou em conjunto pela administração da entidade quando constatada a prática de irregularidades graves ou atos que comprometam sua solvência, mediante a nomeação de um interventor, que detém plenos poderes de administração, representação e liquidação e tem por missão resguardar os direitos dos participantes e promover a recuperação da entidade.

  • INTERVENTOR

    Autoridade máxima na EFPC sob intervenção, empossada pelo órgão fiscalizador competente, com amplos poderes de administração e representação durante o regime de administração especial da entidade.

  • INVALIDEZ

    Ver. Incapacidade.

  • INVALIDEZ POR ACIDENTE

    Conseqüência de lesão corporal de natureza involuntária e violenta, que implique a redução ou abolição da capacidade para o exercício de atividades profissionais ou cotidianas.

  • INVALIDEZ PROFISSIONAL

    Incapacidade permanente ou temporária resultante de lesão corporal, perturbação funcional ou doença, produzida no exercício profissional.

  • INVALIDEZ SENIL

    Incapacidade física ou mental provocada pelo processo natural do envelhecimento.

  • INVESTIDOR INSTITUCIONAL.

    Instituição que dispõe de vultosos recursos mantidos em certa estabilidade e que investe parte dos mesmos no mercado de capitais.

  • INVESTIMENTO

    Emprego da poupança em atividade produtiva, objetivando ganhos a médio ou longo prazo. É utilizado, também, para designar a aplicação de recursos em algum tipo de ativo financeiro.

  • INVESTIMENTO ESTRANGEIRO

    Aquisição de empresas, equipamentos, instalações, estoques ou interesses financeiros de um país por empresas, governos ou indivíduos de outros países.

  • IOF – Imposto sobre Operações Financeiras

    Imposto cobrado sobre as operações de crédito e seguro realizadas por instituições financeiras e seguradoras.

  • IPCA – Índice de Preços ao Consumidor Ampliado

    Índice calculado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) com o objetivo de corrigir os balanços e demonstrações financeiras trimestrais e semestrais das companhias abertas.

  • IPO

    Sigla em inglês para oferta inicial de ações. Como é chamada a operação de abertura de capital de uma empresa na bolsa de valores.

  • ISENÇÃO

    Exclusão ou dispensa do cumprimento de uma obrigação.

  • JÓIA

    É o custo que pode ser cobrado na adesão de novo participante quando esta incorrer em idade superior a média relativa aos parâmetros da massa atual.

  • JOINT-VENTURE

    Associação de empresas para o desenvolvimento e execução de um projeto específico.

  • JURO SOBRE O CAPITAL PRÓPRIO

    As empresas, na distribuição de resultados aos seus acionistas, podem optar por remunerá-los por meio do pagamento de juros sobre o capital próprio, desde que sejam atendidas determinadas condições estabelecidas em regulamentação específica.

  • JUROS ATUARIAIS

    Taxa de Juros Atuariais.

  • JUROS COMPOSTOS

    Juro calculado sobre o montante inicial acrescido de seus próprios juros. No cálculo de juro composto, o juro obtido em um período é incorporado ao principal no período seguinte.

  • JUROS SIMPLES

    Ao contrário do juro composto, neste caso o juro é pago apenas sobre o valor do principal (ou montante) do empréstimo ou aplicação.

  • JUROS SOBRE O PASSIVO

    É o montante de um ano de juros sobre o Passivo Atuarial Projetado. É calculado com base na Taxa de Desconto, sendo subtraído o retorno relativo aos benefícios que serão pagos no período.

  • LANÇAMENTO DE OPÇÕES

    Operação de venda que dá origem às opções de compra ou de venda.

  • LANCE

    Preço oferecido em pregão para a compra ou venda de um lote de títulos, pelos representantes das sociedades corretoras.

  • LASTRO

    Depósito em ouro que serve de garantia ao papel-moeda. Nas operações do mercado financeiro brasileiro, lastro são os títulos dados em garantia de uma operação de open market.

  • LEASING

    Modalidade de crédito profissional formada por um contrato de locação de equipamentos mobiliários ou imobiliários, acompanhado de uma promessa de venda ao locatário. Neste caso, não há imobilização de capital, sobretudo nos casos em que o valor do bem é muito alto e que terá utilização limitada.

  • LEILÃO ESPECIAL

    Sessão de negociação em pregão, em dia e hora determinados pela bolsa de valores em que se realizará a operação

  • LETRA DE CÂMBIO

    É uma ordem de pagamento, com renda fixada e com tempo certo de vencimento. São emitidas por Sociedades de Crédito, Financiamento e Investimento (Financeiras), para a captação de recursos para o financiamento da compra de bens e serviços, ou tomadores de crédito pessoal.

  • LETRA DO TESOURO

    Qualquer título emitido pelo governo federal, com prazo fixo e que paga juros de mercado. As Letras do Tesouro são usadas como instrumento de controle do dinheiro circulante e de financiamento a investimento e obras públicas.

  • LETRAS IMOBILIÁRIAS E HIPOTECÁRIAS

    São títulos emitidos por Sociedade de Crédito Imobiliário, com garantia da Caixa Econômica Federal, para a captação de poupança destinada ao Sistema Financeiro da Habitação.

  • LFT – Letra Financeira do Tesouro

    Título pós-fixado, cuja rentabilidade segue a variação da taxa SELIC. Sua remuneração é dada pela variação da taxa SELIC diária registrada entre a data de liquidação da compra e a data de vencimento do título, acrescida, se houver, de ágio ou deságio no momento da compra.

  • LIQUIDAÇÃO

    É o processo final de uma operação de compra e venda de ações realizadas no pregão da Bolsa de Valores, quando ocorre a liquidação física (ações) e financeira (dinheiro).

  • LIQUIDAÇÃO EXTRAJUDICIAL

    Regime que pode ser decretado pelo órgão fiscalizador da EFPC, quando constatada a inexistência de condições para o funcionamento da entidade ou a inviabilidade de sua recuperação, mediante a nomeação de liquidante com amplos poderes de administração e liquidação, com a finalidade básica de organizar o quadro geral de credores, realizar o ativo e liquidar o passivo da entidade.

  • LIQUIDANTE

    Autoridade máxima na EFPC em liquidação extrajudicial, empossada pelo órgão fiscalizador competente, com amplos poderes de administração, representação e liquidação.

  • LIQUIDEZ

    Maior ou menor facilidade de se negociar um título, convertendo-o em dinheiro.

  • LIQUIDEZ DO PLANO

    Existência, em dado momento, de ativos realizáveis capazes de cobrir os compromissos financeiros do Plano de Benefícios em curto prazo.

  • LOTE

    Quantidade de títulos de características idênticas.

  • LOTE FRACIONÁRIO

    Quantidade de ações inferior ao lote-padrão.

  • LOTE-PADRÃO

    Lote de títulos de características idênticas e em quantidade prefixada pelas bolsas de valores.

  • LTN – Letra do Tesouro Nacional

    As LTN são títulos de renda-fixa emitidos pelo Tesouro Nacional. Sua rentabilidade é definida no momento da compra. A rentabilidade é dada pela diferença entre o preço de compra do título e seu valor nominal no vencimento.

  • LUCRATIVIDADE

    Ganho líquido total propiciado por um título. Em bolsa, o lucro líquido proporcionado por uma ação, resultante de sua valorização em pregão em determinado período e do recebimento de proventos — dividendos, bonificações e/ou direitos de subscrição — distribuídos pela empresa emissora, no mesmo intervalo de tempo

  • LUCRATIVIDADE MÉDIA

    Média das várias lucratividades alcançadas por um título em diversos períodos.

  • LUCRO BRUTO

    É o resultado apurado do total de receitas menos o total de despesas de uma empresa, não considerando a dedução de IR e as participações.

  • LUCRO CESSANTE

    Aquele que o credor deixou de obter durante o período em que o devedor não cumpriu as obrigações

  • LUCRO LÍQUIDO

    É o saldo que resulta após a dedução de imposto de renda e diversas participações sobre o Lucro Bruto.

  • LUCRO LÍQUIDO POR AÇÃO

    Ganho por ação obtido durante um determinado período de tempo, calculado por meio da divisão do lucro líquido de uma empresa pelo número existente de ações.

  • LUCRO PRESUMIDO

    Um dos regimes tributários existentes no Brasil no qual o imposto devido é calculado com base em um lucro que não é apurado de maneira formal, mas sim estimado com base em uma alíquota fixa sobre o faturamento da empresa. É sobre esse lucro que empresa, então, recolhe o imposto de renda.

  • LUCRO REAL

    Forma de apuração do lucro da empresa para fins de cálculo do Imposto de Renda e da Contribuição Social na qual os impostos são calculados com base no lucro efetivamente obtido pela empresa, apurado considerando-se todas as receitas, menos todos os custos e despesas, de acordo como o regulamento do Imposto de Renda.

  • LUCRO REINVESTIDO

    Parcela dos lucros de uma empresa que não é distribuída aos acionistas, mas sim destinada a novos investimentos para garantir o crescimento da empresa.

  • LUCRO RETIDO

    É o saldo remanescente dos lucros líquidos e dos dividendos ainda não distribuídos e não capitalizados, mas já apropriados para constar no Patrimônio Líquido na data do Balanço.

  • MARGEM

    Montante, fixado pelas bolsas de valores ou caixa de registro e liquidação, a ser depositado em dinheiro, títulos ou valores mobiliários, pelo cliente que efetua uma compra ou uma venda a termo ou a futuro, ou um lançamento a descoberto de opções.

  • MARKET SHARE

    Expressão em inglês que significa participação no mercado. É a fatia das vendas de um produto que cada fabricante detém, ou seja, corresponde à participação de mercado de uma empresa ou grupo dentro do seu segmento de atuação.

  • MATRIZ DE RISCOS

    Documento onde são registrados os riscos identificados e a avaliação de seus impactos e probabilidade de ocorrência, para os processos, etapas e atividades das unidades de negócio.

  • MERCADO À VISTA

    Mercado no qual a liquidação física (entrega dos títulos pelo vendedor) se processa no 2º dia útil após a realização do negócio em pregão e a liquidação financeira (pagamento dos títulos pelo comprador) se dá no 3º dia útil posterior à negociação, somente mediante a efetiva liquidação física.

  • MERCADO DE AÇÕES

    Segmento do mercado de capitais, que compreende a colocação primária em mercado de ações novas emitidas pelas empresas e a negociação secundária (em bolsas de valores e no mercado de balcão) das ações já colocadas em circulação.

  • MERCADO DE BALCÃO ORGANIZADO

    Sistema organizado de negociação de títulos e valores mobiliários de renda variável, administrado por entidade autorizada pela Comissão de Valores Mobiliários – CVM.

  • MERCADO DE OPÇÕES

    Mercado no qual são negociados direitos de compra ou venda de um lote de valores mobiliários, com preços e prazos de exercício preestabelecidos contratualmente. Por esses direitos, o titular de uma opção de compra paga um prêmio, podendo exercê-los até a data de vencimento da mesma ou revendê-los no mercado. O titular de uma opção de venda paga um prêmio e pode exercer sua opção apenas na data do vencimento, ou pode revendê-la no mercado durante o período de validade da opção.

  • MERCADO FINANCEIRO

    É o mercado voltado para a transferência de recursos entre os agentes econômicos.

  • MERCADO FUTURO

    Mercado no qual são realizadas operações, envolvendo lotes padronizados de commodities ou ativos financeiros, para liquidação em datas prefixadas.

  • MERCADOS DE CAPITAIS

    Conjunto de operações de transferência de recursos financeiros de prazo médio, longo ou indefinido, efetuadas entre agentes poupadores e investidores, por meio de intermediários financeiros.

  • META ATUARIAL

    Parâmetro mínimo desejado para o retorno de investimentos, geralmente fixado como sendo a taxa real de juros adotada na avaliação atuarial conjugada com o índice do plano.

  • META MÍNIMA ATUARIAL

    Ver. Meta Atuarial

  • MÉTODO DE FINANCIAMENTO ATUARIAL

    Metodologia adotada pelo atuário para estabelecer o nível de constituição das reservas necessárias à cobertura dos benefícios estruturados no regime financeiro de capitalização, em face das características biométricas, demográficas, econômicas e financeiras dos participantes.

  • MÉTODO DE RECORRÊNCIA

    Método matemático utilizado para projetar valores efetivamente avaliados em determinada data.

  • MONOPÓLIO

    Situação de mercado em que uma empresa domina a oferta de um determinado produto ou serviço. Termo econômico que descreve a condição em que um único vendedor domina o mercado, podendo discriminar preços. A legislação da maioria dos países desencoraja o monopólio, que só é aceito quando exercido pelo Estado em segmentos estratégicos, como energia, por exemplo.

  • MONTEPIO

    Instituição formada com a intenção de dar às pessoas, que para ela contribuírem, assistência em caso de doença, invalidez, ou pensão à família em caso de morte. Atua como uma forma de previdência. Por extensão, é também a denominação atribuída ao benefício, pecúlio ou pensão que constitui objeto do montepio.

  • MORATÓRIA

    Prorrogação de prazo solicitado pelo devedor, ou concedido pelo credor, para pagamento de uma dívida. De acordo com a definição do Direito Comercial, o termo pode ser usado para determinar a prorrogação de prazo solicitado pelo devedor, também podendo ser concedida pelo credor para pagamento de uma dívida. Difere da concordata pelo seu caráter não judicial.

  • MULTIFUNDO

    Situação que caracteriza a gestão individualizada dos investimentos de mais de um Plano de Benefícios.

  • MULTIPATROCÍNIO

    Ver. Entidade Multipatrocinada.

  • MULTIPLANO

    Ver. Entidade com Multiplano.

  • MUTUALISMO

    Princípio pelo qual todos aqueles que contribuem individualmente colaboram para a formação de um fundo único. Quando um ou mais desses mutuários (ou seus beneficiários) têm a necessidade de recorrer aos recursos previstos em contrato, é exatamente a este fundo comum que os administradores do plano recorrerão para atender às necessidades do(s) participante(s). O mutualismo determina que os riscos inerentes de um plano de benefícios sejam distribuídos entre todos os participantes.

  • NASDAQ

    Principal instituição norte-americana operando no mercado de balcão. Neste tipo de mercado os títulos são negociados por meio de pregão eletrônico e não por meio do pregão ao vivo.

  • NEGOCIAÇÃO COMUM

    É aquela realizada em pregão, entre dois representantes de diferentes sociedades corretoras, a um preço ajustado entre ambos.

  • NEGOCIAÇÃO DIRETA

    Realizada sob normas especiais por um mesmo representante de sociedade corretora para comitentes diversos. Os interessados nessa operação devem preencher o cartão de negociação ou digitar um comando específico – no caso de negociação eletrônica – indicando que estão atuando como comprador e vendedor ao mesmo tempo.

  • NOTA DE CORRETAGEM

    Documento que a sociedade corretora apresenta ao seu cliente, registrando a operação realizada, com indicação da espécie, quantidade de títulos, preço, data do pregão, valor da negociação, da corretagem cobrada e dos emolumentos devidos.

  • NOTA TÉCNICA ATUARIAL

    Documento técnico elaborado por atuário contendo as expressões de cálculo das provisões, reservas e fundos de natureza atuarial, contribuições e metodologia de cálculo para apuração de perdas e ganhos atuariais, de acordo com as hipóteses biométricas, demográficas, financeiras e econômicas, modalidade dos benefícios constantes do Regulamento, métodos atuariais e metodologia de cálculo.

  • NOTAS EXPLICATIVAS

    Comentário incluído nas demonstrações financeiras, que visa explicar mais detalhadamente as atividades operacionais, a situação contábil, ou outros fatos financeiros considerados relevantes.

  • NOVO MERCADO

    Nome dado ao novo segmento da BM&F Bovespa com a proposta de manter um sistema de negociação separado na Bolsa, no qual serão negociadas apenas ações de empresas que atendam a um conjunto de exigências que protegem os acionistas minoritários. O objetivo é atrair maior número de investidores, nacionais e internacionais, e aumentar o volume de negócios. A adesão das empresas é voluntária.

  • NTN – Nota do Tesouro Nacional

    Título do Tesouro que têm várias destinações. Pode ser para cobrir rombos do Orçamento da União ou até para troca de dívida externa (em dólares) por dívida interna. Possui várias séries, cada uma com um tipo de correção: cambial, inflação, TR, TJLP, etc.

  • NYSE

    É a Bolsa de Valores de Nova York, a maior e mais importante Bolsa de Valores do mundo. Localizada na Wall Street, Nova York, ali são negociados títulos e ações das principais empresas dos Estados Unidos e do mundo. O índice que mostra a evolução desses negócios é o Dow Jones.

  • OBRIGAÇÃO

    Dívida ou exigibilidade geralmente associada a um título de crédito emitido por um ente público ou privado.

  • OFERTA PRIMÁRIA

    É quando a empresa, com capital aberto ou não, faz uma emissão de novas ações. Os papéis são emitidos para aquela negociação e o dinheiro da operação vai todo para o caixa da companhia.

  • OFERTA PÚBLICA DE COMPRA

    Proposta de aquisição, por um determinado preço, de um lote específico de ações, em operação sujeita à interferência.

  • OFERTA PÚBLICA DE VENDA

    Proposta de colocação, para o público, de um determinado número de ações de uma empresa.

  • OFERTA SECUNDÁRIA

    É quando a empresa, que já tem capital aberto, negocia papéis que já haviam sido emitidos e estavam em poder do controlador ou de um fundo. O dinheiro da negociação não vai necessariamente para o caixa da empresa, e sim para quem está vendendo as ações.

  • OPÇÃO

    Contrato que envolve o estabelecimento de direitos e obrigações sobre determinados títulos, com prazo e condições preestabelecidos

  • OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES

    Direito outorgado ao titular de uma opção de, se o desejar, adquirir um lote-padrão de determinada ação, por um preço previamente estipulado, durante o prazo de vigência da opção.

  • OPÇÃO DE VENDA DE AÇÕES

    Direito outorgado ao titular de uma opção de, se o desejar, vender um lote-padrão de determinada ação, por um preço previamente estipulado, na data de vencimento da opção.

  • OPÇÕES DE COMPRA NÃO-PADRONIZADAS

    Ver WARRANTS.

  • OPEN MARKET

    No sentido amplo, é qualquer mercado sem local físico determinado e com livre acesso à negociação. No Brasil, porém, tal denominação se aplica ao conjunto de transações realizadas com títulos de renda fixa, de emissão pública ou privada.

  • OPERAÇÃO COM PARTICIPANTES

    Empréstimos e financiamentos concedidos pela EFPC aos participantes e assistidos.

  • OPERAÇÃO DE CÂMBIO

    Negociação de troca de moeda de um país pela de outro.

  • OPERAÇÕES À FUTURO

    Caracterizam-se pela negociação de ativos com liquidação financeira diária e entrega futura. O seu principal objetivo é a manutenção, a cada dia, dos valores das posições compradas e vendidas de qualquer contrato, nos níveis do mercado.

  • OPERAÇÕES À TERMO

    São operações com prazos de liquidação diferidos, a um preço fixado, para a entrega em uma data definida, a partir da data da negociação. O preço a termo de uma ação resulta da adição, ao valor cotado no mercado à vista, de uma parcela correspondente aos juros, que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Quanto maior o prazo, maior a taxa de juros.

  • OPERAÇÕES À VISTA

    Caracteriza-se pela compra ou pela venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço estabelecido em pregão. Assim, quando um negócio é realizado, o comprador deve arcar com o valor financeiro envolvido na operação, e o vendedor deve fazer a entrega dos títulos-objeto da transação. Os preços são formados em pregão pela dinâmica das forças de oferta e de demanda de cada ação.

  • OPERAÇÕES COM PATROCINADORAS

    Empréstimo ou financiamentos feitos pelas EFPC ao patrocinador. Atualmente é um procedimento proibido pela legislação brasileira.

  • OPERADOR DO SISTEMA ELETRÔNICO

    Representante de uma sociedade corretora, que executa ordens de compra e de venda de ações e/ou opções pelo sistema de pregão eletrônico da Bovespa.

  • ORDEM

    Instrução dada por um cliente a uma sociedade corretora, para a execução de compra ou venda de valores mobiliários.

  • ORDEM DE COMPRA

    Orientação do analista para compra de um papel. No jargão do mercado também se usa a palavra em inglês buy.

  • ORDEM DE PAGAMENTO

    Qualquer documento escritural em que uma pessoa autoriza outra a receber pagamento de uma terceira.

  • ORDEM DE VENDA

    Orientação do analista para venda de um papel. No jargão do mercado também é usada a palavra em inglês sell.

  • ORGÃO FISCALIZADOR

    Ver Previc.

  • ORGÃO REGULADOR

    Ver Conselho Nacional de Previdência Complementar.

  • OSCILAÇÃO

    Variação (positiva ou negativa) verificada no preço de um mesmo ativo em um determinado período de tempo.

  • OVER/OVERNIGHT

    Indica as aplicações financeiras feitas no open-market em um dia para serem resgatadas no dia seguinte.

  • PARCELAMANTO DE DÍVIDAS DAS PATROCINADORAS

    Recurso a que as empresas patrocinadoras com dívidas junto a suas respectivas EFPCs podem recorrer, desde que atendam às regras e exigências da legislação.

  • PARECER ATUARIAL

    Documento elaborado pelo atuário no qual certifica o nível de reservas e situação financeiro-atuarial do plano em determinada data, expressa seus comentários técnicos a respeito dos métodos, hipóteses, dados e resultados obtidos na avaliação atuarial do Plano de Benefícios, faz recomendações e expressa conclusões sobre a situação do plano ou qualquer outro assunto inerente a sua competência.

  • PARTICIPANTE

    Pessoa física que adere ao Plano de Benefícios administrado por uma Entidade Fechada de Previdência Complementar.

  • PARTICIPANTE ASSISTIDO

    Ver. Assistido.

  • PARTICIPANTE AUTOPATROCINADO

    Ver. Autopatrocinado.

  • PASSIVO

    Contrapartida do ativo, no balanço de um sujeito econômico. Compreende basicamente as obrigações a pagar, isto é, as quantidades que a empresa deve a Terceiros.

  • PASSIVO ATUARIAL

    Valor atual, calculado atuarialmente, dos compromissos presentes e futuros do Plano de Benefícios para com a sua massa de participantes na data da avaliação.

  • PASSIVO ATUARIAL DOS RISCOS EXPIRADOS

    É o valor presente, atuarialmente calculado, dos benefícios referentes aos empregados que já são elegíveis a algum benefício do plano.

  • PASSIVO ATUARIAL INICIAL

    Valor assumido pela parte do Passivo Atuarial Projetado não coberta pelo patrimônio do plano. É amortizado no tempo de serviço futuro médio esperado para os empregados que irão receber benefício do plano determinado na mesma data, sendo essa amortização fixa por todo o período considerado.

  • PASSIVO ATUARIAL PROJETADO

    É o valor presente atuarialmente calculado das parcelas do benefício projetado, acumuladas no tempo de serviço já prestado pelo empregado.

  • PASSIVO DO PLANO

    Ver. Passivo Atuarial.

  • PATRIMÔNIO

    Conjunto dos bens de uma pessoa ou empresa administrados de forma a dar lucro ou gerar renda. No caso de uma empresa, o patrimônio é a diferença entre o que a companhia tem (ativo) e suas dívidas (passivo).

  • PATRIMÔNIO DO PLANO

    É o conjunto dos bens destinados à cobertura dos benefícios prometidos, normalmente na forma de ações, debêntures, imóveis, títulos do governo e outros.

  • PATRIMÔNIO LÍQUIDO

    Diferença expressa no balanço patrimonial entre os bens e direitos, e as exigibilidades e obrigações.

  • PATRIMÔNIO LÍQUIDO DO PLANO

    Ver. Recursos Garantidores.

  • PATROCINADOR

    Empresa ou grupo de empresas, a União, os Estados, o Distrito Federal, os Municípios, suas autarquias, fundações, sociedades de economia mista e outras entidades públicas que instituam, para seus empregados ou servidores, Plano de Benefícios de caráter previdenciário, por intermédio de EFPC.

  • PATROCINADORA

    Ver. Patrocinador.

  • PEA – População Economicamente Ativa

    Sigla usada para determinar a população economicamente ativa do país, ou seja, a parcela da população que tem condições de trabalhar. No caso do Brasil estima-se que a PEA seja de mais de 60 milhões de pessoas.

  • PECÚLIO

    Montante a ser pago de uma só vez ao beneficiário, quando ocorrer morte do participante, na forma estipulada no estatuto ou regulamento da entidade.

  • PEDIDO DE INSCRIÇÃO

    Ver. Termo de Adesão.

  • PENSÃO

    Benefício assegurado a beneficiário na eventualidade de falecimento do participante ou assistido, consistente no pagamento de prestações continuadas, observadas as condições do Regulamento do Plano de Benefícios.

  • PENSÃO POR INVALIDEZ

    Prestação prevista em alguns planos de pensões, paga em caso de incapacidade para o trabalho, reconhecida como tal pela previdência social.

  • PENSIONISTA

    Beneficiário em gozo de pensão pelo Plano de Benefícios.

  • PERDAS ATUARIAIS

    Compreendem os efeitos das diferenças negativas entre as premissas atuariais e o que ocorreu efetivamente (ajustes advindos da experiência).

  • PERFIL DE RISCO

    Termo usado para determinar qual a disposição que um investidor tem em correr riscos na hora de investir seu dinheiro.

  • PERFORMANCE

    Desempenho obtido em alguma atividade. No mercado financeiro, uma taxa de performance é cobrada em fundos de investimentos quando a rentabilidade ultrapassa um mínimo acordado previamente.

  • PERÍODO DE BENEFÍCIO

    É o período durante o qual o participante e, quando for o caso, o beneficiário, faz jus ao recebimento do benefício contratado.

  • PERÍODO DE DIFERIMENTO

    Período de tempo durante o qual o participante que optou pelo Benefício Proporcional Diferido aguarda o implemento dos requisitos.

  • PERMANECENTE

    Ver. Autopatrocinado.

  • PESSOA JURÍDICA

    Entidade abstrata com existência e responsabilidade jurídicas como, por exemplo, uma associação, empresa, companhia, legalmente autorizadas, distinguindo-se das pessoas físicas que a formam.

  • PIB – Produto Interno Bruto

    É a medida do produto gerado na economia durante um determinado período de tempo.

  • PIB PER CAPITA

    Relação econômica estabelecida entre o PIB e a população de um país ou região. Como ambas as grandezas se alteram, com o tempo também a relação entre elas varia e indica o estágio de desenvolvimento econômico do país ou região.

  • PLANO ASSISTENCIAL

    Aquele que oferece aos seus participantes e assistidos serviços assistenciais à saúde, com custeio específico, e contabilização e patrimônio mantidos em separado em relação ao Plano de Benefícios.

  • PLANO COMUM

    Plano ou conjunto de planos de benefícios de complementação de aposentadoria acessíveis ao universo de participantes.

  • PLANO DE AUTOGESTÃO EM SAÚDE

    Programa de assistência à saúde administrado por fundos de pensão.

  • PLANO DE BENEFICIO DEFINIDO

    Plano cujos benefícios programados têm seu valor ou nível previamente estabelecidos, sendo o custeio determinado atuarialmente, de forma a assegurar sua concessão e manutenção.

  • PLANO DE BENEFÍCIOS

    Conjunto de direitos e obrigações reunidos em um regulamento com o objetivo de pagar benefícios previdenciais ou assistenciais aos seus participantes e beneficiários, mediante a formação de poupança advinda das contribuições de patrocinadores e participantes e da rentabilidade dos investimentos. Possui independência patrimonial, contábil e financeira.

  • PLANO DE BENEFÍCIOS ORIGINÁRIO

    Plano de Benefícios do qual são portados os recursos financeiros que representam o direito acumulado do participante, transferidos por meio do instituto da Portabilidade para o plano receptor.

  • PLANO DE BENEFÍCIOS RECEPTOR

    Plano de Benefícios para o qual são portados os recursos financeiros que representam o direito acumulado do participante, transferidos do plano originário por meio do instituto da Portabilidade.

  • PLANO DE CAPITALIZAÇÃO

    São os planos em que são determinadas as formas em que se acumulará o capital, tempo de duração, resgate, sorteios (antecipando o resgate ou provisionando um capital adicional imediato), participação nos lucros da sociedade emissora, etc.

  • PLANO DE CONTAS

    Codificação estabelecida pelo órgão regulador das EFPCs para padronizar a escrituração contábil.

  • PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

    É um plano cuja característica principal é o conhecimento da contribuição que será efetuada pelo participante e pela patrocinadora até a data da aposentadoria. O benefício será determinado de acordo com o saldo dessas contribuições.

  • PLANO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL

    Modalidade de plano cujos benefícios programados apresentem a conjugação das características das modalidades de contribuição definida e benefício definido.

  • PLANO DE CUSTEIO

    Documento elaborado, com periodicidade mínima anual, pelo atuário responsável pelo acompanhamento do Plano de Benefícios, no qual é estabelecido o nível de contribuição necessário à constituição das suas reservas garantidoras de benefícios, fundos e provisões, e à cobertura das demais despesas, em conformidade com os critérios fixados pelo órgão regulador e fiscalizador.

  • PLANO SALDADO

    Consiste em um plano em extinção cujo benefício pleno programado foi proporcionalizado na data-base do saldamento, com cessação das contribuições normais correspondentes, condicionado ao referido benefício, sendo assegurado o direito acumulado até a data-base do saldamento.

  • POLÍTICA DE INVESTIMENTO

    Documento elaborado e aprovado no âmbito da EFPC, com observância da legislação e de acordo com os compromissos atuariais do Plano de Benefícios, com o intuito de definir a estratégia de alocação dos Recursos Garantidores do Plano no horizonte de no mínimo cinco anos, com revisões anuais.

  • POPULAÇÃO

    Nos Fundos de Pensão, é a soma do total dos participantes e de seus dependentes.

  • PORTABILIDADE

    Instituto previdenciário que faculta ao participante, em razão da cessação do seu vínculo empregatício como o patrocinador ou associativo com o instituidor antes da aquisição do direito ao benefício pleno, portar os recursos financeiros correspondentes ao seu direito acumulado para outro plano operado por entidade de previdência complementar.

  • PORTFÓLIO

    Carteira de títulos mantida por um fundo mútuo ou por um investidor. A finalidade do portfólio é reduzir o risco por meio da diversificação dos investimentos.

  • PÓS-FIXADO

    Característica de um investimento no qual a rentabilidade geralmente é vinculada a algum tipo de indexador e, portanto, só é conhecida a posteriori.

  • POSIÇÃO EM ABERTO

    Saldo de posições mantidas pelo investidor em mercados futuros e de opções.

  • POUPANÇA

    Parcela da renda não utilizada para consumo.

  • PRAZO DE ACUMULAÇÃO

    Tempo decorrido entre o aporte de recursos no plano de benefícios mantido por entidade de previdência complementar, ou por sociedade seguradora, e o pagamento relativo ao resgate ou ao benefício.

  • PRAZO DE SUBSCRIÇÃO

    Prazo fixado por uma sociedade anônima para que o acionista exerça seu direito de preferência na subscrição de ações de sua emissão.

  • PRÉ-FIXADO

    Quando a rentabilidade é conhecida antes de o investidor fazer a aplicação, o oposto da pós-fixado.

  • PRECATÓRIOS

    Dívidas dos governos Federal, Estaduais e Municipais originadas por decisões da Justiça.

  • PREÇO DE EXERCÍCIO DA OPÇÃO

    Preço por ação pelo qual um titular terá direito de comprar ou vender a totalidade das ações-objeto da opção.

  • PREÇO-ALVO

    Significa o valor limite de um papel, já considerando a valorização esperada no período de um ano.

  • PREGÃO

    Sessão durante a qual se efetuam negócios com papéis registrados em uma bolsa de valores, diretamente na sala de negociações e/ou pelo sistema de negociação eletrônica.

  • PREGÃO ELETRÔNICO

    Sistema eletrônico de negociação por terminais, que permite a realização de negócios, por operadores e corretoras credenciados, nos mercados a vista, a termo e de opções, com papéis e horários definidos pela BOVESPA.

  • PREJUÍZO ACUMULADO

    Na contabilidade, prejuízo acumulado é um subitem do patrimônio líquido que surge quando a empresa acumula prejuízos.

  • PRÊMIO

    Valor pago pelo segurado à companhia de seguros para que esta assuma a responsabilidade de determinado risco.

  • PRÊMIO DE RISCO

    Diferença entre a taxa de retorno esperada de uma aplicação com risco (no mercado acionário, por exemplo) e a taxa de retorno esperada de uma aplicação sem risco,

  • PREMISSAS ATUARIAIS

    Ver. Hipóteses Atuariais.

  • PREMISSAS ECONÔMICO-ATUARIAIS

    Ver. Hipóteses Atuariais.

  • PREVIC – Superintendência Nacional de Previdência Complementar

    Autarquia Federal vinculada ao Ministério da Previdência Social com as funções de fiscalização e de supervisão das atividades das Entidades Fechadas de Previdência Complementar.

  • PRIME RATE

    Indica nos Estados Unidos, a taxa preferencial de juros, mais baixa que a vigente no mercado e cobrada de tomadores de empréstimos privilegiados.

  • PRIVATE EQUITY

    Termo relacionado ao tipo de capital empregado nos fundos de private equity, que em sua maioria são constituídos em acordos contratuais privados entre investidores e gestores, não sendo oferecidos abertamente no mercado e sim por meio de colocação privada. As empresas receptoras desse tipo de investimento ainda não estão no estágio de acesso ao mercado público de capitais, mas possuem alto potencial de crescimento e rentabilidade.

  • PRIVATIZAÇÃO

    Aquisição ou incorporação de uma companhia ou empresa pública por uma empresa privada.

  • PROBABILIDADE

    Possibilidade da ocorrência de um evento aleatório.

  • PROVENTOS

    Ver. Benefícios.

  • PROVISÃO MATEMÁTICA

    É o total da Reserva Matemática do Plano de Benefícios.

  • PROVISÃO MATEMÁTICA DE BENEFÍCIOS A CONCEDER

    Corresponde ao valor necessário para pagamento dos benefícios que serão concedidos aos participantes que ainda não estão recebendo benefício pela entidade.

  • PROVISÃO MATEMÁTICA DOS BENEFÍCIOS CONCEDIDOS

    Corresponde ao valor necessário para pagamento dos benefícios que já foram concedidos pela entidade.

  • PROVISÃO PARA AJUSTES DO PLANO

    Conta contábil que registra a Reserva Especial para Revisão do Plano de Benefícios.

  • PULVERIZAR O RISCO

    Significa distribuir ou dividir as responsabilidades do risco assumido pelo Segurador, através do cosseguro ou do resseguro.

  • QUADRO DE COTAÇÕES

    Local no recinto de negociações das bolsas de valores onde os diversos preços e quantidades de ações negociadas são apresentados.

  • QUARENTENA

    Impedimento a que ficam sujeitos os ex-diretores de EFPCs patrocinadas pela União, estados, municípios, autarquias, empresas públicas etc.

  • QUOTA

    Parte ideal de um fundo ou clube de investimento, cujo valor é igual à divisão de seu patrimônio líquido pelo número existente de quotas.

  • RATING

    É a avaliação e a classificação de ativos, fundos de investimento, empresas ou mesmo países, com base principalmente no critério de risco, feitas por companhia independente, especializada neste processo. O rating é expresso numa espécie de nota, sendo que cada instituição tem seu próprio sistema de notas

  • RAZÃO SOCIAL

    É o nome devidamente registrado sob o qual uma pessoa jurídica se individualiza e exerce suas atividades. A razão social diferencia-se do nome dado a um estabelecimento ou do nome comercial com que a empresa pode ser reconhecida junto ao público.

  • REALIZÁVEL A LONGO PRAZO

    Direitos realizáveis após o término do exercício subsequente.

  • RECEITAS CONTINGENCIAIS

    Receitas decorrentes da reversão de contingências.

  • RECEITAS PREVIDENCIAIS

    Contribuições pagas ou devidas pelos patrocinadores, participantes e assistidos, de acordo com o Regulamento e a Nota Técnica Atuarial do Plano de Benefícios.

  • RECIBO DE SUBSCRIÇÃO

    Documento que comprova o exercício do direito de subscrição, passível de ser negociado em bolsas de valores.

  • RECURSO ADMINISTRATIVO

    É o meio pelo qual a parte vencida em um julgamento do auto de infração provoca a revisão da decisão que lhe é desfavorável. Em relação ao Regime de Previdência Complementar o recurso é julgado pela CRPC.

  • RECURSOS ADMINISTRADOS

    Valores sobre os quais as decisões de investimento são centralizadas na figura de um administrador ou instituição financeira. Os valores podem ser próprios ou de terceiros.

  • RECURSOS GARANTIDORES

    Parcela do Ativo destinada à cobertura dos benefícios oferecidos pelo plano. Corresponde à diferença entre o Ativo do Plano e os exigíveis: operacional, financeiro, administrativo e assistencial, bem como os fundos previdencial e administrativo.

  • REESTRUTURAÇÃO DA DÍVIDA

    Processo que se realiza quando um devedor não está em condições de pagar os compromissos que contraiu ou quando ambas as partes, por diversos motivos, preferem modificar os termos da dívida previamente pactuados.

  • REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

    Regime de previdência privada, de caráter complementar e organizado de forma autônoma em relação ao regime geral de previdência social, facultativo, baseado na constituição de reservas que garantam o benefício contratado e operado por entidades de previdência complementar.

  • REGIME DISCIPLINAR DAS EFPCS

    Processo administrativo para apuração de responsabilidade por infração à legislação no âmbito do regime de previdência complementar..

  • REGIME FINANCEIRO

    Método de financiamento do plano de benefícios. Os mais comuns são: Regime Financeiro de Capitalização e Regime Financeiro de Repartição.

  • REGIME FINANCEIRO DE CAPITALIZAÇÃO

    Regime onde há a formação de uma massa de recursos acumulada durante o período de contribuição, capazes de garantir a geração de receitas equivalentes ao fluxo de fundos integralmente constituídos, para garantia dos benefícios iniciados após o período de acumulação dos recursos.

  • REGIME FINANCEIRO DE REPARTIÇÃO

    Regime financeiro onde há um pacto intergeracional e os recursos arrecadados são utilizados no mesmo período de sua arrecadação para o custeio dos benefícios pagos. O Regime de Repartição pode ser dividido em duas modalidades: Simples ou de Capitais de Cobertura

  • REGIME FINANCEIRO DE REPARTIÇÃO DE CAPITAIS DE COBERTURA

    Regime que objetiva fixar taxas de custeio capazes de garantir a geração de receitas equivalentes ao fluxo de pagamentos relativos aos benefícios iniciados no exercício. Desse modo, as contribuições arrecadadas ao longo do ano são as necessárias e suficientes para constituir o capital que responderá pelo pagamento dos benefícios que serão pagos no mesmo ano. É apropriado aos casos de pensões por morte e aposentadorias por invalidez, cujas concessões conservam uma regularidade estatística.

  • REGIME FINANCEIRO DE REPARTIÇÃO SIMPLES

    Regime que objetiva fixar taxas de custeio capazes de garantir a geração de receitas equivalentes ao fluxo de despesas do exercício.

  • REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

    Regime de Previdência, de caráter obrigatório e contributivo, instituído e administrado pelo Estado e gerenciado pelo Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS).

  • REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

    Regime de Previdência, instituídos pela União, Estados, DF ou Municípios que assegure, pelo menos, as aposentadorias e pensão por morte.

  • REGIME TRIBUTÁRIO PROGRESSIVO

    Forma de tributação das prestações (benefícios) ou resgates pagos por Plano de Benefícios gerido por EPC e que estão sujeitos, na forma da lei, à tabela progressiva do imposto de renda na onte, aplicável aos rendimentos do trabalho assalariado.

  • REGIME TRIBUTÁRIO REGRESSIVO

    Regime de tributação criado para o sistema de previdência complementar, facultado aos participantes de Planos de Benefícios de caráter previdenciário estruturados na modalidade de contribuição definida ou de contribuição variável, mediante opção expressa, pelo qual o benefício é tributado com base em alíquotas regressivas em razão do tempo em que ficam depositados.

  • REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS

    Conjunto de dispositivos jurídicos que definem as condições, direitos e obrigações do participante, do patrocinador ou instituidor do plano de benefícios

  • RELATÓRIO ANUAL

    Documento dirigido anualmente aos participantes e assistidos de EFPCs. O relatório a ser disponibilizado aos participantes e assistidos deverá conter informações acerca dos planos de benefícios dos quais participam.

  • RENDA

    Série de pagamentos ou de recebimentos subseqüentes, de valor pecuniário considerando taxa de juros e periodicidade.

  • RENDA DO PLANO DE PREVIDÊNCIA

    É o benefício do plano representado por uma série de pagamentos mensais ao participante ou aos beneficiários, calculado de acordo com a Nota Técnica Atuarial e com o tipo de renda mensal contratado.

  • RENDA FIXA

    Rendimento discriminado anteriormente e, geralmente expresso no corpo do título. CDB , LTN , cadernetas de poupança e títulos de crédito possuem renda fixa, que pode ser inteiramente préfixada ou vinculada à correção monetária.

  • RENDA MENSAL INICIAL

    Valor da prestação mensal devida ao assistido pelo Plano de Benefícios, na data da sua concessão.

  • RENDA VARIÁVEL

    Aplicação na qual o retorno não tem uma relação rígida com algum indicador de mercado. Depende, portanto, da evolução da cotação do ativo nos mercados organizados.

  • RENDA VITALÍCIA

    Prestação mensal paga vitaliciamente pelo Plano de Benefícios ao assistido, considerando sua sobrevivência ou de seu grupo familiar.

  • RENDIMENTO DOS ATIVOS DO PLANO

    São os juros, dividendos, aluguéis e outras receitas, ganhos e perdas, realizados ou não, derivados dos ativos do plano, deduzidos os custos de sua administração e de todo tributo incidente sobre as receitas, sobre o resultado e sobre os próprios ativos do plano.

  • RENDIMENTO POR AÇÃO

    O resultado da divisão dos lucros da empresa pelo número de ações

  • RENDIMENTO REAL

    Conjunto de ganhos obtidos numa operação já descontadas as perdas com a inflação.

  • RENDIMENTOS BRUTOS

    Em aplicações financeiras, é o conjunto de ganhos obtidos numa operação antes do desconto do Imposto de Renda.

  • RENDIMENTOS LÍQUIDOS

    Em aplicações financeiras, é o conjunto de ganhos obtidos numa operação após o desconto do Imposto de Renda.

  • RENTABILIDADE

    Taxa de retorno de um investimento calculada pela razão entre o valor do acréscimo obtido e o valor inicial do investimento. Via de regra, a rentabilidade é inversamente proporcional à segurança do investimento e liquidez.

  • RESERVA A AMORTIZAR

    Corresponde ao valor atual de contribuições a serem efetuadas por um período certo de tempo, tendo como objetivo registrar o custo do serviço passado.

  • RESERVA CONSTITUÍDA PELO PARTICIPANTE

    Corresponde ao valor atual de contribuições a serem efetuadas por um período certo de tempo, objetivando gerar cobertura para encargos acumulados ou serviço passado não cobertos ou ainda para equacionamento de déficit.

  • RESERVA DE CONTINGÊNCIA

    Valor constituído somente se o plano apresentar superávit. Pela legislação atual, não poderá ser superior a 25% do total das Reservas Matemáticas.

  • RESERVA DE POUPANÇA

    É o montante correspondente às parcelas de contribuição dos participantes, vertidas mensalmente ao plano de benefícios.

  • RESERVA ESPECIAL PARA REVISÃO DO PLANO DE BENEFÍCIOS

    É o valor do Superávit Técnico do Plano de Benefícios que exceder ao valor da Reserva de Contingência, com o objetivo de ser utilizado, após 3 (três) exercícios consecutivos, na redução das contribuições ou na melhoria dos benefícios.

  • RESERVA MATEMÁTICA

    Montante calculado em uma determinada data, correspondente aos encargos acumulados, destinado a pagamento futuro de benefícios, considerando o regulamento do plano e o plano de custeio em vigor, que corresponde à diferença entre o valor atual das obrigações com os benefícios do plano e valor atual dos direitos de contribuições futuras destinadas à cobertura destes mesmos benefícios.

  • RESERVA MATEMÁTICA DE BENEFÍCIOS A CONCEDER

    Corresponde ao valor necessário para pagamento dos benefícios que serão concedidos aos participantes que ainda não estão recebendo benefício pela entidade.

  • RESERVA MATEMÁTICA DE BENEFÍCIOS CONCEDIDOS

    É o valor do compromisso da entidade em relação a seus atuais aposentados e pensionistas, descontado do valor atual das contribuições que esses aposentados e pensionistas e/ou respectiva patrocinadora irão recolher à entidade

  • RESERVA PARA AJUSTE DO PLANO

    Será igual à parte do superávit que exceder o limite permitido para a Reserva de Contingência.

  • RESERVAS TÉCNICAS

    São as Reservas Matemáticas, incluindo o superávit/déficit existente no plano

  • RESGATE

    Recebimento dos valores investidos por um participante num fundo de pensões

  • RESGATE

    Instituto pelo qual o participante, após a cessação do seu vínculo empregatício com o patrocinador, ou associativo com o instituidor, e antes da aquisição de direito a benefício pleno, desliga-se do Plano de Benefícios, optando por receber de volta no mínimo o valor atualizado de suas contribuições pessoais vertidas ao Plano de Benefícios, descontadas as parcelas de custeio administrativo e dos benefícios de risco.

  • RESGATE AUTOMÁTICO

    Resgate programado antecipadamente pela instituição gestora dos recursos. Não necessitando da ordem ou comando por parte do investidor na data do resgate.

  • RESGATE DE CONTRIBUIÇÕES

    Ver Resgate.

  • RESSEGURADORA

    Pessoa jurídica que aceita, em resseguro, a totalidade ou parte das responsabilidades repassadas pela seguradora direta, ou por outros resseguradores – esta última operação recebe o nome de retrocessão.

  • RESSEGURO

    Operação facultada às EFPCs, prevista em lei e sujeita a regulamentação, com o intuito de assegurar compromissos assumidos junto aos participantes e assistidos de um Plano de Benefícios.

  • RESULTADO ACUMULADO

    Diferença entre déficit e superávit técnicos.

  • RESULTADO DO EXERCÍCIO FUTURO

    Compreende as receitas recebidas antecipadamente que, de acordo com o regime de competência, pertencem ao exercício futuro.

  • RESULTADO DOS INVESTIMENTOS

    O retorno líquido auferido com aplicação dos ativos financeiros do plano, assim entendido os ganhos e perdas dos investimentos realizados, deduzidos da carga tributária e dos custos despendidos para execução desses investimentos.

  • RETIRADA DE PATROCÍNIO

    É a operação pela qual se encerra a relação previdenciária entre patrocinador ou instituidor em relação à EFPC (rescindindo o contrato de Adesão firmado entre as partes) e em relação aos respectivos participantes e assistidos do plano de benefícios a eles vinculados.

  • RETORNO ESPERADO DOS INVESTIMENTOS

    Valor esperado para retorno dos investimentos no período. É calculado com base na Taxa Esperada para o Retorno dos Investimentos e no Valor Ajustado do Patrimônio, devendo ser incluídos o retorno esperado para o investimento das contribuições e retirado o retorno relativo aos benefícios que serão pagos no período.

  • RETORNO REAL DOS INVESTIMENTOS

    Retorno real obtido com os investimentos no período. Equivalente à diferença entre os Valores de Mercado do Patrimônio ao final e ao início do período, descontadas as contribuições recebidas e os benefícios pagos.

  • REVERSÃO EM PENSÃO

    Transformação do benefício de aposentadoria em pensão aos seus beneficiários em decorrência do falecimento do participante aposentado, segundo as regras previstas no regulamento do plano de benefícios.

  • RISCO

    Possibilidade de ocorrência de perda ou de ganho em virtude de desvio na meta estabelecida, provocado por acontecimento aleatório.

  • RISCO BIOMÉTRICO

    Consiste na probabilidade passível de cálculo atuarial de perda ou ganho numa decisão de investimento ou de desvio em relação à meta atuarial.

  • RISCO DE CONTRAPARTE

    Risco de um devedor ou tomador deixar de cumprir os termos de qualquer contrato com a entidade ou de outra forma deixar de cumprir o que foi acordado.

  • RISCO DE CRÉDITO

    Associado à possibilidade de inadimplência por parte do agente devedor em uma operação de crédito.

  • RISCO DE LIQUIDEZ

    Risco de perda resultante da falta de recursos necessários ao cumprimento de uma ou mais obrigações da entidade em função do descasamento de atribuições e aplicações.

  • RISCO DE MERCADO

    Risco de que o valor de um instrumento financeiro ou de uma carteira de instrumentos financeiros se altere, em função da volatilidade das variáveis existentes no mercado, causada por fatores adversos, políticos ou outros.

  • RISCO IMINENTE

    Encargo referente ao participante ativo de um plano de benefícios que já atingiu as condições para a aposentadoria programada, mas ainda não requereu o pedido do benefício.

  • RISCO LEGAL

    Possibilidade de perdas decorrentes da inobservância de disposições legais, estatutárias e regulamentares e de procedimentos necessários à formalização de operações desenvolvidas, bem como da insolvência da contraparte em negócios realizados.

  • RISCO OPERACIONAL

    Risco de perda resultante de falhas de processos internos, de pessoas ou de sistemas inadequados, ou ainda da ocorrência de eventos externos.

  • RISCO SISTÊMICO

    Ver. Risco de Mercado.

  • ROTATIVIDADE

    Hipótese adotada na avaliação atuarial que mede a expectativa de desligamento ou de desistência do participante do plano de benefícios.

  • SALA DE NEGOCIAÇÕES

    Local adequado ao encontro dos representantes de corretoras de valores e à realização, entre eles, de transações de compra e venda de ações/opções, em mercado livre e aberto.

  • SALÁRIO DE BENEFÍCIO

    Ver. Salário Real de Benefício.

  • SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO

    Ver. Salário de Participação.

  • SALÁRIO DE PARTICIPAÇÃO

    Base para o cálculo da contribuição a ser vertida para o plano de benefícios. As parcelas incluídas no salário de participação são definidas no respectivo regulamento.

  • SALÁRIO MÍNIMO

    Menor remuneração do trabalho permitida por lei. A vinculação dos benefícios previdenciários ao salário mínimo dificulta a concessão de reajustes significativos ao salário, já que implicaria em déficits ainda mais expressivos da Previdência Social. O aumento do salário só pode ser concedido quando for identificada uma fonte de custeio. Tem por fim garantir aos assalariados das categorias menos favorecidas um rendimento correspondente ao mínimo vital, definido em relação a um determinado meio social.

  • SALÁRIO REAL DE CONTRIBUIÇÃO

    Ver. Salário de Participação.

  • SALDAMENTO

    Ver. Plano Saldado.

  • SALDO DE CONTA

    Ver. Saldo Acumulado.

  • SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL

    Órgão do Ministério da Fazenda encarregado da arrecadação de tributos federais.

  • SECRETARIA DE POLÍTICAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR – SPPC

    Órgão que integra a estrutura básica do Ministério da Previdência Social com as atribuições de assistir o Ministro de Estado na formulação e acompanhamento das políticas e diretrizes do regime de previdência complementar operado pelas entidades fechadas de previdência complementar, supervisionar as atividades da Superintendência Nacional de Previdência Complementar – PREVIC, subsidiar o Ministro de Estado na celebração de acordo de metas de gestão e desempenho junto a Previc, propor ao Conselho Nacional de Previdência Complementar a edição de normas relativas ao regime de Previdência Complementar, bem como avaliar as propostas de alteração da legislação.

  • SECURITIZAÇÃO

    Operação que, na prática, significa trocar uma dívida por outra. Muito usada por países com dívidas externas, consiste na emissão de títulos em valor correspondente ao da dívida que está para vencer. Esses papéis são lançados no mercado e quem os compra terá a garantia de receber em longo ou médio prazo seu dinheiro de volta corrigido com uma taxa de juros vantajosa.

  • SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS

    É a transformação de um recebível (um título cujo valor será recebido num momento futuro) em títulos negociáveis para vendê-los a investidores. Um dos objetivos da securitização de recebíveis é a redução do risco da carteira de investimentos, ao mesmo tempo que aumenta a possibilidade de rentabilidade para o investidor.

  • SEGMENTAÇÃO

    Separação e classificação por algum critério pré-estabelecido.

  • SEGURIDADE SOCIAL

    Conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinadas a assegurar aos cidadãos os direitos relativos à saúde, à previdência e à assistência social, nos termos da Constituição Federal.

  • SEGURO

    Contrato em que uma das partes (segurador) se obriga para com a outra (segurado), mediante o recebimento de uma importância estipulada (prêmio), a indenizá-la de um prejuízo (sinistro), resultante de um evento futuro, possível e incerto (risco), indicado no contrato.

  • SERVIÇO DE CUSTÓDIA

    A custódia é um serviço que a Bolsa e as Sociedades Corretoras prestam aos investidores, e que consiste na guarda de títulos e de valores mobiliários, controlando o estoque de títulos e apresentando de forma atualizada e dinâmica, as posições de cada investidor.

  • SINDAPP

    Sindicato Nacional das Entidades Fechadas de Previdência Complementar.

  • SISBACEM

    É o Sistema de computadores do BACEN. É nele que são registradas saídas e entradas de dólares do país e por onde são feitos vários avisos, entre eles a liquidação de instituições financeiras, etc.

  • SISTEMA ESPECIAL DE LIQUIDAÇÃO E DE CUSTÓDIA – SELIC

    Destina-se ao registro, custódia e liquidação financeira das operações realizadas com títulos públicos emitidos pelo Tesouro Nacional ou Banco Central, títulos estaduais e/ou municipais e depósitos interfinanceiros.

  • SMALL CAPS

    Ver. Ações de Segunda Linha.

  • SOBRAS DE SUBSCRIÇÃO

    Direitos referentes ao não-exercício de preferência em uma subscrição.

  • SOCIEDADE ANÔNIMA

    Empresa que tem o capital dividido em ações, com a responsabilidade de seus acionistas limitada proporcionalmente ao valor de emissão das ações subscritas ou adquiridas.

  • SOCIEDADE CORRETORA

    Instituição auxiliar do sistema financeiro, que opera no mercado de capitais com títulos e valores mobiliários, em especial no mercado de ações. É a intermediária entre os investidores nas transações em bolsas de valores. Administra carteiras de ações, fundos mútuos e clubes de investimento, entre outras atribuições.

  • SOCIEDADE DISTRIBUIDORA

    Instituição auxiliar do Sistema Financeiro, que participa do sistema de intermediação de ações e outros títulos no mercado primário, colocando-os à venda para o público.

  • SOCIEDADE LIMITADA

    Sociedade comercial por cotas de responsabilidade limitada: cada sócio responde apenas na medida da sua cota. Deve adotar uma razão social que explique o quanto possível, o objetivo da sociedade e seja sempre seguida da palavra “limitada” ou “Ltda”.

  • SOLVÊNCIA

    Capacidade de cumprir os compromissos com os recursos que constituem seu patrimônio ou seu ativo.

  • SPE – Sociedade de Propósito Específico

    Sociedade constituída para financiamento de novos projetos, com prazo de duração determinado e fixado na data de sua constituição e atividades restritas àquelas previstas no objeto social definido na data de sua constituição.

  • SPLIT

    Elevação do número de ações representantes do capital de uma empresa pelo desdobramento, com a correspondente redução de seu valor nominal.

  • SPREAD

    Taxa adicional de risco cobrada no mercado financeiro, sobretudo o internacional. É variável de acordo conforme a liquidez do tomador, volume de empréstimo e o prazo de resgate. Margem bancária adicionada à taxa aplicável a um crédito, o spread é variável conforme a liquidez e as garantias do tomador, o volume do empréstimo e o prazo de resgate.

  • SUB-ROGAÇÃO

    Direito concedido por lei ao segurador de assumir seus direitos, depois de indenizar o segurado contra os terceiros responsáveis pelos prejuízos.

  • SUCCESS FEE

    Ver Taxa de Performance

  • SUPERÁVIT

    Ver. Superávit Técnico.

  • SUPERÁVIT DO PLANO

    Situação em que a diferença entre os ativos e os compromissos do plano de benefícios é positiva.

  • SUPLEMENTAÇÃO

    Benefício de renda continuada paga ao assistido, conforme estabelecido no Plano de Benefícios administrado por uma EFPC.

  • SUPORTE

    No mercado de ações significa o mesmo que resistência. Termo usado para indicar na leitura de um gráfico o ponto onde as compras estão superando as vendas. Uma ação atinge o suporte quando as compras feitas pelos investidores são suficientemente fortes para interromper o processo de queda durante algum tempo e até revertê-lo.

  • SUSEP – Superintendência de Seguros Privados

    Autarquia vinculada ao Ministério da Fazenda, responsável pelo controle e fiscalização dos mercados de seguro, previdência privada aberta, capitalização e resseguro no Brasil.

  • SWAP

    Concessão de empréstimo recíproca entre bancos, em moedas diferentes e com taxas de câmbio idênticas. O swap costuma ser utilizado para antecipar recebimentos em divisas estrangeiras.

  • TÁBUAS BIOMÉTRICAS

    Instrumentos estatísticos e demográficos utilizados pelos atuários para medir, em cada idade, as probabilidades dos eventos de morte, sobrevivência, morbidez e invalidez de determinado grupo de pessoas vinculadas a um Plano de Benefícios.

  • TAG ALONG

    Direito que garante aos acionistas minoritários, no caso de venda do controle da companhia, as mesmas condições de oferta dadas aos controladores.

  • TAKE OVER

    Processo de aquisição do controle societário de uma empresa por outro grupo, através da compra em bolsa de valores de ações da empresa. Pode ser amigável, quando há acordo prévio entre as partes.

  • TARIFAÇÃO

    Procedimento de cálculo do prêmio de forma que ele seja adequando conforme a avaliação do risco de uma pessoa física ou jurídica. Deve-se chegar a um valor suficiente para pagar sinistros de acordo com a freqüência esperada, salvaguardando a capacidade de solvência da seguradora e sem auferir lucros exagerados.

  • TAXA

    Forma de tributo que o Estado exige diretamente pela prestação de um serviço determinado e específico.

  • TAXA DE ADMINISTRAÇÃO

    Percentual a ser aplicado sobre um valor-base, conforme definido nos regulamentos e respectivos planos de custeio, que resulta em valor destinado à cobertura das despesas decorrentes da administração dos Planos de Benefícios de uma EFPC.

  • TAXA DE CORRETAGEM

    O valor da corretagem é calculado através da aplicação de alíquotas sobre o valor do montante negociado.

  • TAXA DE CRESCIMENTO

    Variação de um determinado indicador durante um período de tempo. Um dos indicadores mais usados é o PIB: taxa de crescimento do PIB, significando a taxa de crescimento da economia de um país.

  • TAXA DE CUSTÓDIA

    Para a comodidade dos investidores, a Corretora possui um setor responsável exclusivamente pela custódia de títulos. O valor da taxa a ser paga mensalmente, será calculado de acordo com o montante da carteira de ações.

  • TAXA DE DESCONTO

    Taxa utilizada para descontar o valor presente os compromissos futuros do plano.

  • TAXA DE JUROS

    É o custo do dinheiro no mercado. Quando a taxa de juros está alta, significa que falta dinheiro no mercado. Quando está baixa, é porque está sobrando.

  • TAXA DE JUROS ATUARIAIS

    Hipótese utilizada na avaliação atuarial destinada a projetar o comportamento, a longo prazo, dos retornos dos investimentos dos recursos garantidores, excluído o efeito da inflação, e também para determinar o valor atual de qualquer compromisso diferido do Plano de Benefícios.

  • TAXA DE MORTALIDADE

    Relação existente entre a freqüência de mortes de membros de um grupo de pessoas e a quantidade de membros que compõem este grupo, num certo período de tempo.

  • TAXA DE PERFORMANCE

    Percentual cobrado pelos bancos sobre a parcela da rentabilidade do fundo de investimento que excede a variação de um determinado índice previamente estabelecido.

  • TAXA DE RETORNO DOS INVESTIMENTOS

    Taxa de retorno esperada de ser obtida pelo investimento do patrimônio do plano.

  • TAXA ESPERADA PARA RETORNO DOS INVESTIMENTOS

    Ver. Taxa de Retorno dos Investimentos.

  • TAXA INTERNA DE RETORNO

    Determina a rentabilidade de um investimento ou projeto.

  • TAXA NOMINAL DE JUROS

    Valor da taxa de juros sem descontar a inflação.

  • TAXA REAL DE JUROS

    Taxa de juros equivalente ao crescimento dos ativos do Plano de Benefícios decorrente do retorno dos investimentos, apurada em um determinado período, descontado o efeito da inflação.

  • TAXA SELIC

    É a taxa que reflete o custo do dinheiro para empréstimos bancários, com base na remuneração dos títulos públicos. Também é conhecida como taxa média do over que regula diariamente as operações interbancárias.

  • TBAN

    É o teto das taxas de juros no mercado nas operações entre instituições financeiras. O percentual é fixado pelo COPOM.

  • TBC

    Taxa Básica de Juros do BACEN. É o piso das taxas de juros no mercado. O percentual é fixado pelo COPOM.

  • TBF – Taxa Básica Financeira

    Criada em 1995 pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para o seu cálculo é utilizado uma amostra das 30 maiores instituições financeiras do país, a partir da remuneração mensal média dos CDB´s e RDB´s no prazo de 30 a 35 dias.

  • TERMO DE ADESÃO

    Instrumento que formaliza o estabelecimento da relação contratual entre o Plano de Benefícios e os seus participantes, vinculando-os aos dispositivos do respectivo Regulamento.

  • TERMO DE ADESÃO OU PEDIDO DE INSCRIÇÃO

    Ver. Termo de Adesão.

  • TERMO DE INSCRIÇÃO

    Ver. Termo de Adesão.

  • TERMO DE OPÇÃO

    Documento por meio do qual se manifesta a vontade do participante, assistido ou beneficiário perante a EFPC, em determinadas circunstâncias previstas na legislação ou no Regulamento do Plano de Benefícios. O participante opta pelo instituto do Autopatrocínio, do Benefício Proporcional Diferido, do Resgate ou da Portabilidade.

  • TERMO DE PORTABILIDADE

    Documento que formaliza a transferência dos recursos correspondentes ao direito acumulado do participante entre entidades de previdência complementar, pelo exercício da Portabilidade.

  • TERMO EM DÓLAR

    Operação do mercado a termo tradicional, com a diferença de que o preço contratado é corrigido diariamente pela variação entre a taxa de câmbio média de reais por dólar norte-americano, para o período compreendido entre o dia da operação, inclusive, e o dia de encerramento, exclusive.

  • TIMING

    Termo usado com freqüência no mercado financeiro para se referir ao momento mais indicado para realizar uma determinada transação financeira, que pode ser comprar ou resgatar um título.

  • TIPO DE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS FINANCEIROS

    Forma de administração dos ativos financeiros da entidade. Pode ser classificada como externa, quando a administração dos investimentos é executada por administrador externo; interna, quando a administração dos investimentos é executada pela própria entidade; ou mista, quando a administração dos investimentos é executada pela entidade e parte por administradores externos.

  • TITULAR DE OPÇÃO

    Aquele que tem o direito de exercer ou negociar uma opção.

  • TÍTULOS

    São papéis vendidos pelos governos ou empresas ao mercado financeiro para obter recursos financeiros. É como se fosse um contrato de empréstimo no qual o tomador do recurso faz uma promessa de pagamento à ordem da importância emprestada, acrescida de juros estipulados no contrato.

  • TÍTULOS DA DÍVIDA EXTERNA

    O Governo Federal visando obter dinheiro no exterior para financiar sua operação, pode vender títulos da dívida externa a investidores estrangeiros que emprestam seu dinheiro em troca de uma taxa de juros definida. O IDU (interest due unpaid) é um exemplo de um título da dívida externa.

  • TÍTULOS PÚBLICOS

    O Governo Federal emite títulos com a finalidade de captar recursos para financiar as atividades operacionais, como educação, saúde, etc. Esses são os chamados Títulos da Dívida Pública. Os emissores desses títulos são o Banco Central do Brasil e o Tesouro Nacional. Os títulos públicos podem ser pré-fixados ou pós-fixados. Os títulos públicos mais negociados são as Notas do Tesouro Nacional (NTN), as Letras do Tesouro Nacional (LTN) e as Letras Financeiras do Tesouro (LFT).

  • TR – TAXA REFERENCIAL

    É a taxa que define o rendimento das Cadernetas de Poupança e do SFH (Sistema Financeiro de Habitação).

  • TRIBUTAÇÃO DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS DOS FUNDOS DE PENSÃO

    A lei 11.053, de 29 de dezembro de 2004, dispensou a retenção de IR na fonte relativa à aplicação financeira dos recursos dos planos de benefícios dos fundos de pensão, ou seja, no período de acumulação.

  • TRIBUTO

    Termo que se refere a uma receita instituída pela União, pelos Estados, Distrito Federal e Municípios, que inclui impostos, taxas e contribuições de melhoria, nos termos da Constituição e das leis vigentes em matéria financeira.

  • TURNOVER

    Movimentação, giro comercial. O número de vezes que os valores e recursos de uma empresa são substituídos em um dado período.

  • UNDERWRITERS

    Instituições financeiras especializadas em operações de lançamento de ações no mercado primário. No Brasil, tais instituições são, em geral, bancos múltiplos ou bancos de investimento, sociedades distribuidoras e corretoras.

  • UNDERWRITING

    Esquema de lançamento de ações mediante subscrição pública, para o qual uma empresa encarrega um intermediário financeiro, que será responsável por sua colocação no mercado.

  • UNIFUNDO

    Situação que caracteriza a gestão compartilhada dos investimentos de mais de um plano de benefícios.

  • VALOR AJUSTADO DO PATRIMÔNIO

    O Valor Ajustado do Patrimônio pode ser o seu valor de mercado ou um valor que reconheça as oscilações no valor de mercado de uma forma racional e sistemática, em um período de tempo não superior a cinco anos.

  • VALOR ATUAL

    Valor financeiro apurado em uma determinada data, obtido pela aplicação da taxa de desconto (baseada na taxa de juros) sobre um fluxo futuro de um valor ou uma série de valores.

  • VALOR ATUAL DAS CONTRIBUIÇÕES FUTURAS

    Expressão habitualmente utilizada para designar o valor atual do fluxo projetado das contribuições futuras que ingressarão no Plano de Benefícios, calculado atuarialmente, considerando as hipóteses biométricas e econômicas utilizadas, apurado na data da avaliação atuarial.

  • VALOR ATUAL DOS BENEFÍCIOS

    Expressão habitualmente utilizada para designar o valor atual do fluxo projetado dos benefícios futuros a serem pagos aos participantes do Plano de Benefícios, calculado atuarialmente, considerando as hipóteses biométricas e econômicas utilizadas, apurado na data da avaliação atuarial.

  • VALOR DE EXERCÍCIO DA OPÇÃO

    Preço de exercício por ação, multiplicado pelo número de ações que compõem o lote-padrão de uma opção.

  • VALOR DE MERCADO DO PATRIMÔNIO

    Valor que o plano deveria receber por uma “venda” justa do seu patrimônio na data da avaliação.

  • VALOR FUTURO

    Valor do título ou valor mobiliário em uma data futura, obtido a partir do exercício de capitalização.

  • VALOR INTRÍNSECO DA OPÇÃO

    Diferença, quando positiva, entre o preço a vista de uma ação-objeto e o preço de exercício da opção, no caso de uma opção de compra, e entre o preço de exercício e o preço a vista, no caso de uma opção de venda.

  • VALOR JUSTO

    É o valor pelo qual um ativo pode ser negociado ou um passivo liquidado entre partes interessadas, em condições ideais e com a ausência de fatores que pressionem para a liquidação da transação ou que caracterizem uma transação compulsória.

  • VALOR MOBILIÁRIO

    Refere-se a um instrumento financeiro negociado publicamente ao contrário de um instrumento financeiro de colocação privada. Caracteriza, de um modo geral, papéis e títulos com valores móveis.

  • VALOR NOMINAL DA AÇÃO

    Valor mencionado no estatuto social de uma empresa e atribuído a uma ação representativa de seu capital.

  • VALOR PATRIMONIAL DA AÇÃO

    Resultado da divisão entre o patrimônio líquido e o número de ações da empresa.

  • VALOR PRESENTE

    Em um investimento, é o valor atual de uma série de fluxos de caixa futuros descontados por determinada taxa de juros que normalmente é o custo de capital do ativo em questão.

  • VALOR VENAL

    É o valor de mercado de um produto. Não é o valor real do produto, nem necessariamente incorpora seu custo de produção. É o valor com que pode ser comercializado – mais alto ou mais baixo, dependendo das circunstâncias do mercado.

  • VALORIZAÇÃO DA CARTEIRA

    Ganho obtido em certo período de tempo por um conjunto de ativos que compõem a carteira (portfólio) sob gestão de EFPC ou outro agente.

  • VALUE AT RISK (VaR)

    Termo do inglês que significa “valor em risco”. Forma de cálculo que aponta a perda máxima a que está exposta uma carteira em um determinado período de tempo (um dia, normalmente).

  • VARIAÇÃO

    Diferença entre os preços de um determinado título em dois instantes considerados.

  • VARIAÇÃO CAMBIAL

    Percentual que indica a valorização ou não de moedas estrangeiras num determinado período de tempo.

  • VESTING

    Ver. Benefício Proporcional Diferido.

  • VIÉS OU ERRO SISTEMÁTICO

    Distorção sistemática entre a medida de uma variável estatística e o valor real da grandeza a estimar. A introdução de um viés no cálculo estatístico pode estar ligada quer a imperfeição ou deformação da amostra que serve de base para a estimativa, quer ao próprio método de avaliação.

  • VOLATIVIDADE

    Indica o grau médio de variação das cotações de um título em um determinado período.

  • VOTO

    Direito que tem o proprietário de ações ordinárias (ou preferenciais não destituídas dessa faculdade) de participar das deliberações nas assembléias gerais.

  • VUA – VALOR UNITÁRIO DA AÇÃO

    Quociente entre o valor do capital social realizado de uma empresa e o número de ações emitidas.

  • WALL STREET

    O nome pelo qual é conhecido o distrito financeiro de Nova York no qual estão localizadas a Bolsa de Valores dos Estados Unidos, a Bolsa de Valores de Nova York e um grande número de corretoras de valores.

  • WARRANT

    Título que confere ao seu portador o direito, mas não uma obrigação, de comprar o ativo que lastreia esse título, a um preço predeterminado (preço de exercício) e até uma data preestabelecida (data de vencimento). Trata-se de uma opção não-padronizada, em geral de longo prazo, emitida por instituições detentoras de posições expressivas de valores mobiliários como debêntures, commercial paper etc.

  • WORLD MARKET

    Mercado mundial, de mercadorias, de serviços e valores.

  • ZONA DE LIVRE COMÉRCIO

    Conjunto dos países que organizam entre si a livre circulação das mercadorias produzidas nos seus territórios.

  • ZONA FRANCA

    Área de um país onde, por decisão dos governantes, são permitidas reduções alfandegárias e, freqüentemente, concedidos benefícios fiscais, por certo período de tempo.

  • ZONA MONETÁRIA

    Conjunto constituído em seguimento a um acordo formal ou em conseqüência de um estado de fato, por um grupo de países ou territórios, que observam regras particulares nas suas relações monetárias e conferem à moeda do principal destes países um papel essencial nos pagamentos internos da zona e com o resto do mundo.

Fonte: Glossário PREVIC 2011